Canais
Políticas do Turismo
publicado em 04 de julho de 2008 -  9h32

Brasil pode adotar reciprocidade com viajante britânico

Da Redação

Se a medida entrar em vigor, o país pode sofrer grandes retaliações no índice de visitantes internacionais britânicos

O Brasil deixou claro que adotará o princípio de reciprocidade se a Grã-Bretanha passar a exigir visto para os cidadãos brasileiros em visita ao país - os britânicos também precisarão de visto no passaporte no ingresso em terras brasileiras. A iniciativa da Inglaterra poria fim às negociações bilaterais travadas desde 2007 sobre uma fórmula de consenso para evitar essa medida, considerada nociva às relações bilaterais.

A corrida do Ministério das Relações Exteriores do Brasil para contornar essa questão com o governo do Reino Unido segue em paralelo ao esforço com o objetivo de apagar um incêndio maior - a tendência de a União Européia (UE) endurecer a política migratória em relação ao Brasil. Embora faça parte do bloco europeu, a Grã-Bretanha não aderiu ao Espaço Schengen, uma espécie de sub-bloco que trata da livre circulação de cidadãos dos 15 membros da UE e que concede, aos brasileiros, a isenção do visto para o ingresso no território.

O governo alertou que os brasileiros poderão voltar a precisar de visto de entrada. Segundo a edição desta quinta-feira (03) do jornal Financial Times (FT), o governo inglês exigiu de 11 países que deixem de "abusar" do privilégio de não precisar de vistos para entrar no país. A lista conta com Brasil, Bolívia, Malásia, África do Sul, Botsuana, Namíbia, Venezuela, Trinidad e Tobago, Lesoto, Suazilândia e Ilhas Maurício.

As estimativas apontam que cerca de 150 mil brasileiros estariam vivendo na região de Londres. Dentro do próprio governo britânico, já há quem alerte que a medida pode ter repercussões negativas aos interesses comerciais da Inglaterra no Brasil. Londres está dando seis meses para que os países cheguem a um acordo para acabar com os abusos na imigração.

Segundo Pedro Fortes, uma das principais lideranças do governo carioca, caso a relação entre Ingraterra e Brasil endureça, quem perde somos nós. "O Brasil já não tem os turistas de lazer americanos, japoneses, canadenses, australianos, neozelandeses e mexicanos. Agora, com  a política de retaliação do Itamaraty (que só o Brasil adota), tentando igualar desiguais, iremos perder tambem os ingleses, e em seguida o restante dos europeus, tão arduamente conquistados ao longo de anos  de trabalho duro do Ministério do Turismo e da Embratur", lamenta. (VB)

Veja também:

12/05/2017
Cartas na Mesa, Dados Rolando
Fundador do maior cassino do mundo visita Brasil e promete grandes investimentos se legislação permitir.
11/05/2017
Presidente da ABEOC culpa governo pelo mau desempenho do Brasil no ranking da ICCA
A International Congress and Convention Association (ICCA) divulgou o ranking dos países que mais realizaram eventos internacionais em 2016.
11/05/2017
Um ano de realizações no turismo
País sedia maior evento esportivo do planeta, registra recorde de entrada de estrangeiros e lança pacote para impulsionar o setor.
09/05/2017
Turismo e Planejamento assinam acordo sobre áreas da União
Portaria interministerial aborda as áreas de interesse turístico que hoje estão sob responsabilidade da Secretaria de Patrimônio da União (SPU).
Newsletter
Receba as novidades