Canais
Políticas do Turismo
publicado em 24 de julho de 2019 -  2h24

O que precisamos é não perder o foco

Por Manoel Linhares*

Da Redação

A Embratur lançou a nova marca Brasil que irá ilustrar as campanhas de divulgação do país como destino turístico pelo mundo, inspirada na bandeira nacional e com o slogan: "Visite e nos ame". Após sua apresentação, uma onda de polêmicas e debates ofuscou o fato principal, que temos a obrigação de destacar: ela foi criada pelos técnicos do instituto e que não gerou nenhum custo para os cofres públicos.

A iniciativa não deveria surpreender, já que o governo Bolsonaro foi eleito sob uma plataforma de austeridade e a ação de acionar os profissionais do governo para realizar o trabalho de criação da marca Brasil teve, entre seus objetivos principais, gerar menos despesas para a Embratur – verba que pode ser realocada em outras áreas de apoio ao turismo – e está em consonância com a agenda que vem sendo implementada pelo atual presidente, cujo principal foco tem sido controlar as despesas do governo.

Polêmicas à parte, sem dúvida é fundamental ter uma boa marca e slogans certeiros que atraiam a atenção dos turistas para nosso país. Mas o setor de turismo precisa muito mais do que isso. É urgente que se cumpram os quesitos necessários para atrair mais visitantes para o Brasil e que sejam resolvidos os gargalos – que diversas lideranças do setor de turismo e hotelaria já apontaram - que impendem a expansão de seus índices como deveria ser num país como o nosso, cheio de potencial, com enorme diversidade de atrações turísticas.

O que de fato presenciamos nesses quase sete meses de governo foi a consolidação de pleitos de décadas, como a abertura do capital aéreo, a liberação de vistos para americanos, japoneses, australianos e canadenses e a primeira reunião de um presidente da República com as entidades do trade de turismo, o que evidencia o comprometimento federal com o setor.

 Manoel Linhares

Não é hora para dissidências. Estamos quase entrando nos eixos e precisamos concentrar nossas forças no que realmente interessa para a indústria nacional do turismo: a desburocratização, a redução da carga tributária, a atualização da Lei Geral do Turismo, a regulamentação das plataformas on-line de vendas de hospedagem em residências, a suspensão da cobrança do Ecad nos apartamentos de hotéis e meios de hospedagem, a regulamentação dos cassinos, a liberação de vistos para a China e para Índia e, principalmente, a consolidação da infraestrutura e dos serviços necessários para de fato tornar o Brasil um destino único e desejável, não só para os turistas internacionais mas, principalmente, para o cidadão brasileiro.

*Manoel Linhares – presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis – ABIH

Fonte: assessoria

Veja também:

12/10/2019
Nova cota potencializa turismo de compras em Foz do Iguaçu
Cota de compras terrestres de US$ 500 (R$ 2.050,00), anunciada pelo presidente Jair Bolsonaro, vai potencializar ainda mais o turismo de compras na fronteira trinacional.
01/10/2019
Foz do Iguaçu quer ser o destino mais visitado por turistas estrangeiros no Brasil
A proposta foi defendida durante a 3ª Conferência Municipal de Turismo. Esta e outras sugestões estarão no plano de turismo da próxima década.
23/09/2019
Deputados defendem legalização dos jogos para aumentar a arrecadação tributária
Momento atual é mais favorável à aprovação da matéria porque o governo atravessa uma crise econômica e de falta de empregos.
21/08/2019
Governo de SP anuncia serviço de stopover da Gol Linhas Aéreas nos aeroportos paulistas
Passageiros que fizerem conexão em Congonhas, Guarulhos ou Viracopos podem ficar até duas noites na cidade sem custo adicional.
Newsletter
Receba as novidades