Canais
Artigos
publicado em 03 de maio de 2021 - 15h39

Afinal, o que são e como devem ser planejados os eventos híbridos?

As incertezas do setor de eventos não se resumem em entender os novos modelos de negócios e sim, em aplicar novas competências e habilidades junto aos organizadores de eventos os transformando em gestores de comunidade.

Da Redação
 Paulo Octavio Pereira de Almeida

As incertezas do setor de eventos não se resumem em entender os novos modelos de negócios e sim, em aplicar novas competências e habilidades junto aos organizadores de eventos os transformando em gestores de comunidade.

Enquanto uns usam o termo “novo normal”, acreditando em mudanças significativas na maneira de conduzir as relações humanas, outros apenas questionam a retomada das atividades como elas sempre foram. E entre um e outro, o futuro dos eventos presenciais segue incerto e a curiosidade e o interesse sobre eles, só aumenta.

Ouso dizer que os planejadores de eventos já passaram pelos cinco estágios definidos na psicologia: negação, raiva, barganha, depressão e aceitação. E depois de 13 meses, acredito que a maioria deles esteja na última fase, aceitando que estamos em um novo momento e que as mudanças seguirão cada vez mais intensas e inevitáveis. Antes, nós saíamos de casa para um evento presencial, mesmo que em outra cidade, investindo em acomodação, transporte e alimentação porque estávamos acostumados com essa dinâmica, mas agora que fazemos quase tudo da nossa casa, interagimos com colegas de trabalho, fechamos negócios e até brindamos as boas novas, de maneira remota, é fundamental entender que a dinâmica do setor de eventos se alterou de forma definitiva, e os organizadores de eventos tradicionais que não entenderem essa nova dinâmica vão desaparecer” – aponta P.O de Almeida, Managing Director da Live Marketing Consultoria.

Com isso, fica evidente que as pessoas só aceitarão estar fisicamente em algum lugar que lhe ofereça um diferencial, que seja excepcionalmente interessante, uma vez que aprendemos que é possível fazer quase tudo da sala da sua casa, a questão da relevância para as atividades presenciais ficou ainda mais importante. Com isso, o termo híbrido passou a ser usado para caracterizar essa nova estrutura que mistura presencial e remoto, fazendo alusão ao termo na biologia (cruzamento genético entre duas espécies vegetais ou animais distintos), mas a terminologia ainda causa dúvidas em muitos setores. Pelo menos, foi o que apontou uma pesquisa realizada pela Swapcard (uma plataforma para eventos virtuais e híbridos, movidos por inteligência artificial) com 364 profissionais de eventos de vários países, em abril de 2021, onde um pouco mais de 30% dos entrevistados declaram não ter uma ideia clara do que realmente é um evento híbrido, no que tange: valor, desafios, etapas para a definição, realização e estrutura desse modelo.

Os números reforçam o quanto é preciso alinhamento e união do setor. Perguntas não faltam e seguem entre: Quais são as tecnologias disponíveis? Como definir se o evento será presencial ou remoto? Como juntar os dois formatos em uma mesma situação? Quem é o público mais importante, afinal: eles são diferentes? O que agrada o visitante presencial? o que será preciso oferecer para o participante remoto? Como definir valores (tanto para empresas, quanto para patrocinadores e público), o que precisa ser levado em conta? De acordo com P.O, consultor com mais de 30 anos no entretenimento ao vivo (B2C) e em eventos corporativos com foco na geração de negócios (B2B), a resposta é certa: “aqueles que estiverem a frente dos eventos, precisam atuar de maneira estratégica, entendendo perfeitamente como a aquela comunidade age, quais são as suas necessidades e desejos, depois disso, explorar o tema de maneiras diversas usando a tecnologia como aliada, independente do modelo e formato escolhido, o futuro dos eventos agora é omnichannel” – pontua.

E nesta nova era híbrida, mais do que espelhar o evento físico para o digital, os gestores de comunidades, deverão estar imersos no tema de maneira criativa e inovadora para atrair, reter e engajar a sua comunidade. Deverão estar cientes de que precisarão remodelar os KPIs, ajustar a maneira de calcular o ROI pois as atividades exclusivamente digitais que foram experimentadas pelas empresas e marcas durante a pandemia, podem até apresentar um retorno mais quantificável, mas o fator humano das experiencias presenciais e o uso dos cinco sentidos não entraram neste cálculo do ROI, e pensar que: “apesar da flexibilidade oferecida hoje aos organizadores de eventos pela tecnologia existente somos seres sociais, gregários e colaborativos e a imersão física favorece os nossos aprendizados e ajuda a criar confiança nos relacionamentos” – reforça P.O. Almeida. Por fim, o consultor destaca “os eventos virtuais foram um remédio durante a pandemia, mas a partir de agora os eventos híbridos serão como uma vitamina ao setor”.

P.O. Almeida, também conhecido como Paulo Octavio Pereira de Almeida é Managing Director da Live Marketing Consultoria, criador do podcast B.O do Marketing e durante sua trajetória, esteve à frente da primeira transmissão multicanal de um show, do lançamento de uma operadora de televisão paga via satélite, foi responsável pela realização de shows e espetáculos de grande magnitude, encabeçou o projeto de um escritório de entretenimento ao vivo e de eventos corporativos até chegar a vice-presidência da Reed Exhibitions Alcantara Machado, empresa na qual gerenciou mais de 200 feiras de negócios, e onde esteve até o ano passado. Em 2020 idealizou e realizou a Expo-Retomada, evento que reuniu os principais players da indústria de eventos para disseminar conteúdo e demonstrar os protocolos de segurança e inovações para o novo normal do setor. Atualmente cursa um mestrado na Fundação Dom Cabral com foco em eventos híbridos. 

Saiba mais em: www.livemarketingconsultoria.com.br

Fonte: Assessoria

Veja também:

27/04/2021
Abracorp defende programa de testagem, vacinação e protocolos para a retomada
Australianos e neozelandeses preparam as malas para cruzar fronteiras, a partir do próximo dia 19 de abril. Motivos não faltam. Exemplos no combate à pandemia, habitantes dos dois países são referências à retomada do turismo internacional.
23/04/2021
O turismo e sua capilaridade no apoio ao Movimento Unidos Pela Vacina e vacinação contra o Covid-19.
No início de fevereiro de 2021 iniciou-se o Movimento Unidos pela Vacina, um grupo focado em trazer soluções, de forma estruturada e apartidária, logo o Movimento Supera Turismo que já vinha atento a importância da vacinação e gerando energia para divulgação da necessidade de acelerar o processo, se identificou com a causa e criou uma proximidade com o Unidos Pela Vacina, através de suas lideranças, trazendo para o Unidos grandes profissionais de Turismo e Eventos para colaborar.
19/04/2021
Abstinência de feiras cria novos formatos
Mais de 15 mil empresas/ano expõem em feiras Brasil afora, com o objetivo de vender. São produtos, serviços, marcas, conceitos e encontros que mantém as mesmas no ritmo de desenvolvimento. Fazem negócios e ampliam a geração de renda e empregos - além do consequente aumento do recolhimento de impostos.
19/04/2021
O que o rebranding da SOU SEGURA tem a nos ensinar sobre branding corporativo
O que mais escuto no meu dia-a-dia são dúvidas relacionadas a branding. Na realidade, ainda são poucos aqueles que entendem o poder de uma boa estratégia de construção de marca. Mesmo profissionais de marketing costumam misturar as estações: muitos confundem identidade visual com branding, plano de comunicação com branding e até mesmo estratégias de venda com branding. E quantas oportunidades o mercado não perde justamente pela falta de uma estratégia assertiva de marca.
Newsletter
Receba as novidades