Canais
Artigos
publicado em 04 de dezembro de 2020 - 17h37

O espectro do Titanic

O artigo de Jochen Witt, publicado na Exhibiton World, expressa muito do que a equipe de conteúdo do Grupo Conecta Eventos considera essencial para os tempos que virão.

Da Redação
..

Muitas pessoas em nosso setor foram demitidas ou mandadas para licença; outras temem que "seu evento" possa não ocorrer e buscam novos desafios; outras ainda acreditam que seu empregador não reagiu adequadamente à situação. Uma pessoa me descreveu que se sentia como se estivesse no Titanic.

Então, o espectro do Titanic é justificado?

Este ano certamente foi difícil e nunca antes a perspectiva em nosso setor foi tão sombria. Por décadas, nossa indústria tem experimentado um crescimento constante e altas margens e, como consequência, a inovação não tem sido nossa prioridade. Na forte crise atual, a busca por conceitos inovadores é intensa.

Em uma tentativa rápida de oferecer soluções alternativas para eventos ao vivo, os organizadores desenvolveram conceitos para exposições "virtuais" e feiras comerciais híbridas. Infelizmente, muitos organizadores ficam perplexos com o fato de que essas iniciativas custam muito dinheiro e geralmente rendem pouco valor. Um CEO de um organizador afirmou, tendo gasto milhões para uma exposição 'virtual', que "aprendeu muito".

Para mim, isso é inconcebível.

A essência de qualquer exposição ou feira é a presença física. Não há exibição "virtual" e não há feira comercial "híbrida", como não há refeição virtual ou natação híbrida. Gastar milhões para “aprender muito” é um desperdício de dinheiro; o foco deve ser entregar valor aos nossos clientes. Parece ser um reflexo em nossa indústria ‘digitalizar’ eventos, sem saber até que ponto os clientes percebem valor em tais ofertas.

Frequentemente, vemos eventos "virtuais" sendo desenvolvidos como produtos individuais, em vez de como parte de uma estratégia digital abrangente. Como consequência, os níveis de participação e satisfação estão abaixo do esperado.

Para continuar nosso negócio F2F de sucesso, precisamos desenvolver uma estratégia digital com ofertas que devem atender a quatro critérios:

  1. Fortalecer o evento F2F tem a maior prioridade, tudo o que fazemos digitalmente tem como suporte o negócio físico; uma oferta exclusivamente digital não será capaz de competir com os titãs digitais existentes.
  2. As ofertas digitais precisam criar valor agregado para nossos clientes, para que possam ser monetizadas.
  3. As ofertas digitais precisam entregar conteúdo de primeira classe
  4. As ofertas digitais precisam ser estendidas além do intervalo de tempo e do alcance dos participantes de um evento F2F.

Há quase 20 anos defendia uma proposta de valor para o nosso setor, alegando que esses organizadores teriam vantagens competitivas capazes de oferecer serviços de comunicação e matchmaking independentes de tempo, local e meio / canal.

Tal proposta de valor ainda é válida e um evento virtual ou híbrido pode ser apenas uma pequena parte disso. Precisamos desenvolver conceitos, onde o evento físico permanece o ponto de atração focal para uma indústria e onde partes desse evento também podem ser digitalizadas, no entanto, onde ofertas digitais globais e durante todo o ano para colocação de produtos, conteúdo, serviços de matchmaking, networking e promoção da indústria etc., ajudam a criar e manter comunidades em toda a indústria.

Com a plataforma digital certa, seremos muito mais capazes de avaliar o interesse e o comportamento do cliente.

As estratégias mencionadas irão mudar significativamente a forma como os organizadores fazem negócios e, como resultado, também terão um grande efeito nos locais.

Os locais do futuro precisam apoiar melhor a marca do show e fornecer tecnologia que apóie o negócio digital dos organizadores: as prioridades de investimento precisam mudar; em tempos de mudança na demanda dos clientes, o tamanho das feiras na Europa diminuirá ainda mais (a Ásia é diferente), veremos mais especialização e foco de expositores e visitantes; mega instalações de várias centenas de milhares de metros quadrados com a aparência de locais de fabricação industrial não atenderão mais às necessidades do mercado. Em vez disso, locais intuitivos com estruturas que permitem visitas com tempo eficiente, tecnologias digitais em todos os aspectos (local inteligente), com a maior flexibilidade, um design de ponta e um ambiente emocionalmente atraente, se tornarão os destinos líderes de mercado.

Durante os últimos 12 meses, conduzimos vários projetos de revisão de instalações na Europa; com base em avaliações de mercado estratégicas, a maioria resultou em uma redução do tamanho do local em favor dos aspectos de qualidade acima mencionados. Esses locais serão capazes de dispensar qualquer tipo de sentimento do Titanic.

Jochen Witt é presidente e CEO da consultoria especializada www.jwc.eu.com

Fonte: Exhibition World

Veja também:

01/04/2021
Marketing de conteúdo para eventos: o guia definitivo
Quando falamos sobre marketing de conteúdo para eventos, estamos falando sobre um acontecimento que deve começar muito antes de ocorrer o evento oficial de fato.
29/03/2021
Parada obrigatória
Eu imagino que você, assim como eu, que está baseado em São Paulo também deve ter se preocupado com a decisão da prefeitura da maior cidade do Brasil em antecipar feriados e promover uma parada obrigatória de 10 dias. Não era a notícia que gostaríamos de ter. Por Alexis Pagliarini
11/03/2021
Viagens corporativas: retomada pede reconstrução
A crise biossanitária resultante da pandemia C-19 se incumbiu de desnudar, por inteiro, mazelas já instaladas no universo das viagens corporativas. Trouxe à tona o esgotamento irremediável de determinadas práticas negociais, fundamentadas em valores substituídos, de forma natural, por outros. Por Rubens Schwartzmann*
08/03/2021
Pandemia estimula ecossistemas de mulheres empreendedoras
Elas buscaram mais conhecimento, inovaram, se reinventaram e estão impulsionando os serviços umas das outras, afirma Izabel Barbosa, criadora do Método brand NEW
Newsletter
Receba as novidades