Canais
Artigo
publicado em 12 de agosto de 2014 - 13h 7

O real legado da Copa no Brasil é o exemplo empresarial

Erros e acertos da organização de um dos maiores eventos que foi sediado no Brasil podem servir de conselho para o mundo empresarial em qualquer segmento

Da Redação

Após conseguir superar o quarto lugar da seleção brasileira no mundial, o balanço da Copa do Mundo FIFA no Brasil é positivo, pelo menos no que diz respeito às questões organizacionais.

De acordo com Jamil Albuquerque, autor do livro Vivendo e Aprendendo a Jogar, uma das lições que se pode tirar da Copa do Mundo é que sempre se deve rever passos, ouvir opiniões e tentar novos métodos para alcançar o sucesso. Mas, para o especialista, um fator que também merece destaque foi o trabalho em equipe. “A simpatia do povo brasileiro foi um fator que contribui para este sucesso, porque houve uma união para que todos os turistas fossem recebidos da melhor forma possível”, afirma.

Uma das maneiras de tudo ter saído como o planejado foi o foco de todos os setores envolvidos nesse grande evento, unidos como uma organização, trabalhando todos por uma missão. “Aeroportos, transporte público, setor de telecomunicações funcionaram bem, não houve catástrofe porque todos estavam empenhados, comprometidos e focados”, alega Jamil Albuquerque.

Jamil ainda lança questões para serem refletidas: “Por que não transformarmos a lição da copa, de tudo que deu certo, em uma força cósmica do hábito?”, e completa: “Essa é uma lei universal que através da qual a natureza agrega todos os hábitos, de modo que eles podem prosseguir automaticamente uma vez que tenham sido postos em ação”.

Para o autor, os atletas têm sucesso porque praticam incansavelmente e em qualquer profissão, o esforço deve ser o mesmo. “Tem que haver a persistência para um melhor desempenho, produzindo o circulo virtuoso. Com a falta de persistência acontece o mesmo, mas na direção oposta”, explica Jamil.

A Copa do Mundo no Brasil deixou o povo brasileiro com mais esperança do que antes, mesmo com a derrota em campo. Mesmo os mais céticos e os que se opõem ao atual Governo devem admitir que o evento foi um grande aprendizado. Jamil Albuquerque reflete: “por que não dedicar os mesmos esforços para os demais setores do país, como saúde, educação, habitação?”, finaliza.

Jamil Albuquerque - Jamil Albuquerque nasceu em Monte Carlo, em Santa Catarina. É economista, especialista em marketing, metodologista, professor de gerenciamento de cidades FAAP, professor convidado da Universidade da Califórnia UCSD, comentarista semanal do SBT-SP, membro do conselho de administração da Embelleze, presidente de SUPERA, incubadora tecnológica de São Paulo, Secretário de Governo de Ribeirão Preto. É instrutor MASTER MIND, escreveu também os livros “A Arte de Lidar com Pessoas”, co-autor de “A Lei do Triunfo para o Século 21”, “Líder com Mente de Mestre” e “Vivendo e aprendendo a jogar”. Ele é terapeuta comportamental; consultor empresarial; administrador de empresas e Psicolinguística formado pela Fundação Napoleon Hill Tecnology (EUA).

Fonte: Assessoria

Veja também:

01/10/2019
A importância da legalização dos Jogos no Brasil
Por Manoel Linhares*
23/09/2019
Diversidade e inclusão, estratégias transformadoras para o mercado corporativo
Por Ronaldo Ferreira Jr.*
22/09/2019
ABIH Nacional inicia ações no direcionamento da adequação do setor aos requisitos legais da LGPD
Por Manoel Cardoso Linhares*
04/09/2019
A aprovação dos cassinos como política macroeconômica
Por Bruno Omori*
Newsletter
Receba as novidades