Canais
Pesquisas
publicado em 21 de agosto de 2014 - 11h 7

Mundial de futebol, o mês de junho registrou a maior concentração de verba publicitária do 1º semestre

Com o Mundial de futebol, o mês de junho registrou a maior concentração de verba publicitária do 1º semestre, especialmente para TV aberta que apresentou um crescimento de 72% em relação ao Mundial de 2010.

Da Redação

Neste cenário, outro destaque é que dos 10 maiores anunciantes do semestre, seis eram patrocinadores do evento. Porém, a Unilever, mesmo não estando nessa lista, foi uma das companhias que mais investiram em publicidade no Brasil no primeiro semestre de 2014. Segundo levantamento do IBOPE Media, a empresa direcionou R$ 2,46 bilhões em propagandas, o que representa um crescimento de 10% em relação ao mesmo período de 2013.

De acordo com a pesquisa, que monitora mensalmente os investimentos publicitários das categorias de produtos veiculados nos principais meios de comunicação, este é o segundo ano consecutivo que a Unilever está à frente da Via Varejo (Casas Bahia e Ponto Frio), que acumulou R$ 2,036 bilhões, incremento de 11% em comparação com o período anterior. Em seguida, a Genomma (do segmento de higiene pessoal, beleza e farmacêutica) aparece na terceira posição do estudo, com R$ 1,59 bilhão em investimentos publicitários no primeiro semestre deste ano.

No primeiro semestre, os investimentos totais alcançaram R$ 59,6 bilhões e registraram crescimento de 15% em relação ao período anterior. A TV aberta somada aos investimentos em merchandising totalizou 62% do total investido, seguida pelo jornal (14%), TV por assinatura (8%) e internet (5%).

Para a medição de TV paga houve a inclusão de seis novos canais, que passaram a ser aferidos durante o período.

Setores

Primeiro lugar no ranking de setores, a categoria comércio e varejo continua líder em volume de investimento, com R$ 10,4 bilhões. Em seguida, aparece o setor higiene pessoal e beleza, com um aumento de 13% em relação ao ano anterior. A seguir, está o setor de serviços ao consumidor, com um volume de investimento 9% maior em relação ao ano anterior. Já a categoria mercado financeiro e seguros registrou um aumento 37% maior em relação ao ano anterior.

Praças

São Paulo segue como líder entre os mercados monitorados com um crescimento de 11% em comparação com o mesmo período do ano anterior. Destaque para Manaus, que cresceu 31% no período, e para Salvador e Recife, com 27% e 21%, respectivamente. Florianópolis, com 28% de incremento ante o período anterior, Campinas com 23% e o interior de São Paulo com 27%, também se destacaram no ranking.

Agências

No ranking das agências, a YR manteve a primeira posição em relação a 2013, movimentando R$ 3,97 bilhões em investimentos publicitários no primeiro semestre. Em seguida, aparece a Ogilvy & Mather Brasil, com R$ 2,11 bilhões, e a Borghi Lowe, com investimentos da ordem de R$ 1,9 bilhão. Em quarto lugar está a WMcCann, com R$ 1,9 bilhão, que estava na quinta posição no estudo anterior.

Obs1.:Critério de operações de fusões: Durante os 6 primeiros meses após a fusão, a verba das agências envolvidas não sofrerá alteração. Passado esse período os valores serão reclassificados com histórico de data da fusão.

Critério de separação de agências: As agências envolvidas seguem com seus valores históricos inalterados, ou seja, os valores do período anterior a esse separação não serão atribuídos às novas agências provenientes da reestruturação. Caso uma ou mais agências sigam com a carteira de clientes total ou parcial, esse investimento será refletido respeitando esse histórico.

Obs2: O ranking contêm os investimentos de Agência Conta Dividida, pois, existem as exceções abaixo que são classificadas como conta dividida:

• mesmo filme, no mesmo período, dividido por diferentes agências;

• meio outdoor que não é classificado por campanha.

O IBOPE Monitor tem por critério, valorar todo e qualquer espaço ocupado, seja ele gratuito ou não e para todas as inserções são utilizadas tabelas de preços, não se aplicando descontos ou qualquer negociação.

Essa pesquisa do IBOPE Media também está disponível em formato de infográfico. Clique aqui para acessar as informações.

Sobre a pesquisa

Cobertura: TV aberta: 41 mercados. TV Assinatura: 44 canais. Rádio: 10 mercados e 83 emissoras. Revista: 250 títulos/mês nacionais, regionais e especiais. Jornal: 26 mercados e 70 títulos . Outdoor: 30 mercados. Cinema: 11 mercados e 564 salas. Internet: 6 portais. Mobiliário Urbano: 8 mercados. Merchandising: 5 redes (nacional).

Veja as tabelas completas em www.ibope.com.br

Nota ao editor: Essa pesquisa do IBOPE Media também está disponível em formato de infográfico. Clique aqui para acessar as informações.

IBOPE Media

Maior empresa de pesquisa de mídia na América Latina, o IBOPE Media oferece soluções em audiência, investimento publicitário e planejamento de campanhas. Há 72 anos, a empresa disponibiliza informações fundamentais para a tomada de decisão nos negócios de mídia e se renova constantemente para retratar a evolução do consumo dos meios, em diferentes plataformas.

O IBOPE Media emprega aproximadamente 3.500 colaboradores e possui operações em 16 países na América Latina e um escritório em Miami (EUA). Acesse www.ibope.com para mais informações.

Fonte: Assessoria

Veja também:

19/02/2020
26% dos sites de operadoras de turismo não estão seguros para compras online, mostra estudo da Serasa Experian
Compras de ingressos na internet também podem trazer riscos para os usuários, já que 46% dos endereços eletrônicos desta categoria estão desprotegidos; especialistas dão 5 dicas para o consumidor se proteger.
06/02/2020
ABIH Nacional divulga expectativa de ocupação no país para o Carnaval 2020
Um dos estados mais procurados, Pernambuco já registra 95% das reservas confirmadas, devendo ter melhores índices que no ano anterior.
31/01/2020
Planejador de eventos. Uma carreira de alto risco?
Um grupo de experientes organizadores de eventos, reunidos no Colóquio IPMARK, disse que o segredo é a vocação.
29/01/2020
53% dos brasileiros entrevistados afirmam não consumir marcas com comportamento preconceituosos ou racistas
Públicos formados por LGBT+ (81%) e pessoas com deficiência (57%) são os que mais sentem falta de elementos de diversidade nas propagandas.
Newsletter
Receba as novidades