Canais
HOTELARIA
publicado em 02 de maio de 2020 -  0h42

Foz do Iguaçu: Hotelaria, gastronomia e atrativos preservam mais de 3,2 mil empregos na fase inicial da crise

Pelo menos 230 empresas do turismo aderiram às alternativas para evitar demissões durante a crise econômica provocada pelo coronavírus.

Da Redação

Mais de 3,2 mil trabalhadores estão com empregos preservados por empresas do turismo na primeira fase de contenção da crise econômica provocada pelo novo coronavírus em Foz do Iguaçu. Apesar do movimento zero de turistas, a hotelaria, gastronomia e atrativos têm puxado a iniciativa em prol da manutenção de empregos formais na cidade.

São hotéis, restaurantes, atrações turísticas, pousadas, resorts, hostels, motéis, churrascarias, pizzarias, bares, lanchonetes, cafés, entretenimento, lazer, entre outros estabelecimentos, que fizeram uso de duas ferramentas emergenciais para evitar uma onda de demissões na cidade.

Pelo menos 230 empresas aderiram aos termos aditivos à convenção coletiva (base no artigo 476A da CLT) entre o Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Foz do Iguaçu e o Sindicato dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade e/ou ao acordo de suspensão de contrato de trabalho por meio da Medida Provisória 936/2020.

O termo permite a interrupção temporária do contrato de trabalho para fins de qualificação profissional on-line, mediante acesso do trabalhador a uma bolsa paga pelo governo e ajuda compensatória das empresas. Já a MP 936/2020 possibilita a redução de jornada e salário, além da suspensão do contrato.

A expectativa é a de que as empresas façam uso dos instrumentos disponíveis para beneficiar quem está ou retornará de férias nos próximos dias. Logo, numa segunda etapa, o total de carteiras assinadas vai superar a casa das 3,2 mil.

A manutenção dos empregos dependerá da retomada do turismo e da efetividade das medidas para atenuar o impacto da crise causada pela covid-19, a serem adotadas pelos governos municipal, estadual e federal. O segmento turístico foi o primeiro a sofrer os impactos das medidas emergenciais de contenção e será o último a retornar ao "novo normal”.

Pioneira no país

O presidente do Sindhotéis, Neuso Rafagnin, destaca que a entidade foi uma das primeiras no país a firmar acordo com o sindicato laboral para evitar demissões, em 20 de março (quando os estabelecimentos do setor tiveram as atividades suspensas). “Todos os esforços são para manutenção dos funcionários”, afirma.

As alternativas criadas pelos sindicatos patronal e laboral foram largamente utilizadas já a partir de 20 de março, bem como a MP do governo federal desde a sua publicação, em 1º de abril. Outra medida paliativa para evitar desligamentos foi dar férias para milhares de trabalhadores (vencidas e antecipadas).

Em linhas gerais, uma parte do quadro funcional continua na ativa, outra parcela está em férias, cerca de 950 trabalhadores já foram beneficiados pelo termo aditivo e 2.277 já foram enquadrados na medida provisória. “O entendimento rápido com o sindicato laboral possibilitou manter milhares de empregos”, completa Rafagnin.

Fonte: assessoria

Veja também:

30/05/2020
Bourbon Cataratas reabre no dia do aniversário de Foz do Iguaçu
Com protocolo de higienização reforçado, o resort conhecido como o ideal para toda a família está pronto para receber todos.
30/05/2020
Vacation Homes Collection implanta Selo de Qualidade para novas normas de higienização
Adequados aos novos procedimentos em função da Covid-19, imóveis da VHC são certificados pela Healthy Building.
29/05/2020
FOHI - Palestrantes discutem mudanças e tendências pós-crise na hotelaria
Gabriela Otto e Carolina Sass de Haro trazem cases do Brasil e do mundo para retomada de sucesso do setor.
29/05/2020
Malai Manso reabre em 1º de junho com medidas de segurança e higiene adicionais
Resort localizado a uma hora de Cuiabá retoma operação com restrição de número de apartamentos disponíveis e adequações no serviço de alimentação e lazer, entre outros cuidados.
Newsletter
Receba as novidades