Canais
Entidades
publicado em 24 de março de 2020 - 23h57

Associação Internacional das Feiras analisa cenário do setor com Covid 19

Feiras e conferências se tornarão um catalisador da recuperação econômica e são um elemento importante para impedir que a crise do Coronavírus se transforme em uma recessão de longo prazo.

Da Redação

As Feiras não existem sem as Montadoras das Feiras!

O COVID-19 coloca em risco quase 250.000 empregos na construção de stands em toda a Europa. De acordo com uma pesquisa recente da Federação Internacional de Serviços de Eventos e Exposições (IFES), estima-se que cerca de 300 membros percam aproximadamente 50% de sua receita anual. Esses números provam que o COVID-19 se transformou em uma crise com que a indústria da construção de stands de exposições na Europa não consegue mais lidar sozinha. Essas empresas de estandes de exibição serão vitais para a recuperação econômica dos eventos, mas não existirão se tiverem que lidar com uma montanha de dívidas e taxas de juros que devoram qualquer chance de estabilidade financeira.

Estima-se que 1750 empresas de construção de stands europeias estejam vendo as mais importantes feiras internacionais canceladas devido a paralisações nos países. Embora não haja dúvida de que a atual Pandemia Corona torna isso necessário, também não há dúvida de que o setor de construção de estandes de exibição está sendo particularmente afetado.

As empresas de construção de stands de exposição e seus prestadores de serviços estão passando pelo mesmo desligamento que os países em que estão localizadas.

Com as portas fechadas, muitos organizadores estão agora confirmando que não esperam mais eventos antes das férias de verão europeu de 2020. A maioria das feiras ocorre no início do ano e depois há uma pausa no verão, entre o final de junho e o início de setembro. Os 40% restantes dos eventos ocorrem no outono entre setembro e dezembro. As empresas de construção de stands de exposição esperam sobreviver até a temporada da feira de outono europeu.

Essas empresas, cujos meios de subsistência foram destruídos no final de fevereiro pelo cancelamento repentino de todos os eventos, devem agora reduzir a perda de vendas em seis meses. Na melhor das hipóteses, essas empresas receberão apenas alguns euros pelos custos diretos incorridos por seus clientes, mas é isso. E isso é preocupante.

Quando se fala em PME, essas empresas estão entre as pequenas, com um faturamento médio anual de 5,3 milhões de euros e cerca de 42 funcionários permanentes, essas empresas carregam um fardo pesado. Além disso, elas geralmente caem na hierarquia quando se trata de relevância do sistema. "Trata-se de um julgamento equivocado", diz Torsten Heinze, vice-presidente da IFES e diretor administrativo da empresa de construção de feiras de negócios alemã-americana Czarnowski. "A indústria como um todo representa vendas anuais de 9,3 bilhões de euros na Europa. E com todos os fornecedores, como montadoras, freelancers, prestadores de serviços técnicos, esses 9,3 bilhões de euros representam quase 250.000 empregos. O efeito que o COVID-19 teve nas empresas em 15 de março é dramático. Cerca de 46% do faturamento anual foi perdido, geralmente em alguns dias. Metade do volume de negócios anual é uma ordem de magnitude que nem mesmo a empresa mais bem posicionada pode suportar” completa.

Em alguns países europeus, medidas como compensação de trabalho em curto prazo e garantias bancárias de empréstimos estatais criaram oportunidades para suprir gargalos de liquidez. No entanto, a montanha de dívidas dessas empresas está crescendo todos os dias, de modo que as primeiras empresas estão considerando a possibilidade de insolvência planejada.

Isso deve ser evitado com fundos nacionais e/ou europeus, porque quando a economia recuperar novamente, quando o comércio voltar ao normal, esses muitos prestadores de serviços serão sistemicamente relevantes para criar apresentações adequadas para os muitos expositores dentro e fora do recinto da feira.

Feiras e conferências se tornarão um catalisador da recuperação econômica e são um elemento importante para impedir que a crise do Coronavírus se transforme em uma recessão de longo prazo.

“As Feiras sem montadoras de feiras, não existem”, explica o diretor administrativo da IFES, Uta Goretzky. Já em 2 de março de 2020, o IFES enviou uma petição em nome de seus membros ao Presidente da Comissão Europeia, Madame Ursula von der Leyen, com o pedido de um fundo de ajuda europeu para todas as empresas do setor com sede na Europa para diminuir o tempo até que a situação volte ao normal.

Como organização guarda-chuva internacional, no IFES exigimos, portanto, soluções de fundos nacionais e europeus que evitem o reembolso das contribuições financeiras concedidas. A fim de combater o argumento de abuso neste momento, nós, como associação internacional, mas também muitas associações nacionais com seus conhecimentos específicos do setor, estamos felizes em apoiar as autoridades públicas.

IFES AISBL

(Tradução de Juan Pablo De Vera)


Fonte: assessoria

Veja também:

27/03/2020
AMPRO apoia série de webinars sobre LGPD e COVID-19
A atividade, organizada pelo FAS Advogados, acontecerá nos dias 27 de março, 30 de março e 1º de abril.
26/03/2020
ALAGEV apresenta novos dados sobre o impacto do Coronavírus no mercado de viagens e eventos corporativos
Em novo estudo, mercado sente desaceleração, mas se mantém otimista quanto a retomada ainda neste ano.
26/03/2020
COVID-19 e ABAV Nacional
Presidente da ABAV Nacional participa de videoconferência com ministérios do Turismo e da Economia.
25/03/2020
Abracorp publica cartilha para enfrentamento da crise
Documento, iniciativa conjunta do IHC Abracorp (Inovação-Habilidade-Competência) e da 4C Academy, estabelece cinco ações concatenadas.
Newsletter
Receba as novidades