Canais
Entidades
publicado em 07 de maio de 2019 -  0h21

O Brasil tem pressa

Por Manoel Linhares, presidente ABIH Nacional

Da Redação

A Medida Provisória 863, também conhecida como “Lei dos céus abertos” - que entre outros dispositivos eleva de 20% para 100% o limite de participação estrangeira em companhias aéreas - foi aprovada no dia 25 de abril pela comissão mista do Congresso e agora segue para votação no plenário da Câmara e do Senado com a inclusão no projeto da gratuidade do despacho de malas e a reserva de 5% para voos regionais.

Entre as muitas questões que impactam o turismo no país, a aviação e sua malha aérea, a meu ver, são os principais assuntos que precisam de encaminhamento imediato para que o setor possa de fato expandir seus números e assim dar maior contribuição para a melhoria dos índices econômicos brasileiros. É urgente focar em levar benefícios ao consumidor e não apenas atender aos interesses das companhias aéreas. Nesse aspecto, temos destacado também que precisamos com urgência de uma política de preços justa e mais atrativa.

Essa falta de opções aliada ao alto custo de operação no setor aéreo diminui a competitividade do país no mercado interno e externo, pois além de fazer o preço das passagens subir, limita a conectividade e reduz o tempo de permanência do turista – tanto a negócios quanto a lazer - nos destinos.

A aprovação pela comissão mista é um avanço, mas ainda é muito pouco. Para nós, representantes do setor de hotelaria nacional, fica a pergunta: o que é preciso fazer para que essa e outras pautas já exaustivamente debatidas avancem efetivamente e entrem em vigor? Até quando temos que esperar?

O que temos repetido é que no turismo, por ser um setor muito dinâmico, medidas de atualização de leis e normas como essas deveriam fazer parte da nossa rotina. Para isso, é preciso apoiar e incentivar o empenho das autoridades legislativas para que deem prioridade ao turismo, encaminhando suas questões com mais agilidade.

 Manoel Cardoso Linhares

Precisamos como entidades de classe da iniciativa privada ajudar a promover a integração dos setores políticos, deputados e senadores, e agentes econômicos em prol de uma agenda propositiva de desenvolvimento para o país. E a atividade turística, que tem entre seus pilares a questão da malha aérea, deveria ser um bom exemplo disso, pois movimenta setores básicos e estruturais.

Os representantes do turismo e da hotelaria nacional têm se esforçado em mostrar às autoridades que é fundamental que seja realizada o mais rápido possível a votação na Câmara e no Senado da MP dos Céus Abertos. É preciso também concentrar todos nossos esforços para que essas ações sejam de fato estrategicamente implementadas. Mas é preciso que seja agora, pois o país tem pressa.

Manoel Cardoso Linhares

Presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis – ABIH Nacional

Fonte: assessoria

Veja também:

08/07/2020
Presidente da ABRAPE faz primeira visita oficial ao novo secretário especial de Cultura
Doreni Caramori apresentou as principais pautas da Associação Brasileira dos Promotores de Eventos ao novo responsável pela pasta, Mário Frias, em encontro realizado nesta quarta (8).
02/07/2020
UBRAFE anuncia saída de Armando Campos Mello da presidência executiva
Armando Campos Mello estava nos quadros executivos da Ubrafe há mais de 20 anos. Ex-presidente permanecerá como Consultor Especializado.
01/07/2020
Abracorp elege conselhos para o biênio 2020/2021 por aclamação
Carlos Prado, da Tour House, e Luis Vabo, da Solid, foram reconduzidos à presidência e vice-presidência do Conselho de Administração da Associação Brasileira de Agências de Viagens Corproativas.
25/06/2020
ABIH-SP propõe encarar a crise de frente
A entidade vai oferecer aos associados a oportunidade de interagir com Pedro Englert, ex-sócio da XP e CEO da StartSe.
Newsletter
Receba as novidades