Canais
Entidades
publicado em 29 de março de 2021 - 18h28

Parada obrigatória

Eu imagino que você, assim como eu, que está baseado em São Paulo também deve ter se preocupado com a decisão da prefeitura da maior cidade do Brasil em antecipar feriados e promover uma parada obrigatória de 10 dias. Não era a notícia que gostaríamos de ter. Por Alexis Pagliarini

Da Redação
 Alexis Pagliarini

Estamos todos ansiosos por uma retomada que nos permita encarar o trabalho de uma forma mais ampla e dinamizar negócios claudicantes, impactados pela pandemia. Também pelo lado “pessoa física”, a ansiedade não é menor. Queremos reencontrar, abraçar e beijar nossos parentes e amigos. Queremos transitar com liberdade, frequentar lugares e ter momentos mais plenos de lazer e entretenimento. Mas, infelizmente, ainda não dá.

E não adianta questionar decisões mais extremas, como essa da prefeitura de São Paulo. Estamos num momento crítico e não será com medidas frouxas ou de condescendência que nos livraremos desse mal que nos afeta a todos. É uma parada mais do que providencial, é obrigatória.

De um lado, temos de nos conformar, mas, de outro, temos de lutar para que haja formas de compensar essa parada que, para alguns setores, já passa de um ano. Um ano sem negócios! Já pensou? É desesperador! É o caso do setor de eventos. Outro dia, ouvi de um fornecedor dessa área que não emitia uma nota fiscal sequer há mais de 365 dias. É de cortar o coração.

Não à toa, o setor partiu para uma reivindicação junto às esferas do governo para um socorro ao setor de eventos. Trata-se da PL 5638, que cria o Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos - #PERSE. O PERSE prevê um pacote de socorro às empresas do setor de eventos, reivindicando crédito subsidiado, refinanciamento de passivo fiscal, isenção fiscal, extensão da 14020 (que permite a redução de salários e redução de jornada de trabalhadores), entre outras. A criação do PERSE é uma iniciativa capitaneada pela ABRAPE, com total adesão da AMPRO, por intermédio da CBIE (Câmara Brasileira da Industria de Eventos), e das principais instituições ligadas ao setor de eventos. A Câmara Federal já se sensibilizou com o pleito e aprovou de forma categórica a PL 5638. Agora o projeto vai ao Senado Federal.

Então, fica a nossa expectativa e a nossa esperança que os senadores também se sensibilizem com a situação periclitante do setor de eventos no Brasil, aprovando o PERSE. Aí ficará com o Executivo a sanção final. Estamos esperançosos. Até porque, enquanto não houver uma imunização eficaz (diga-se de passagem, estamos injustificavelmente atrasados nesse processo), o setor continuará nessa parada obrigatória que tanto nos angustia.

Devemos parar, mas devemos também ser apoiados, como estão fazendo os países mais sérios em socorro às empresas e aos profissionais prejudicados. Enquanto paramos, vale a reflexão e o repensar da nossa atividade. A necessidade é a mãe da invenção, diz o dito popular. Como podemos tirar algum proveito dessa parada?

Muitas empresas do setor procuraram se reinventar e buscar formas de atuar no campo virtual, por exemplo. Aproveitaram para rever sua estrutura, seus processos e portifólio de serviços. “Não podemos desperdiçar uma crise”, disse Winston Churchill. De fato, é no calor de uma crise que nos mobilizamos com mais empenho, que nos unimos, tentamos caminhos alternativos e nos adaptamos para novos desafios.

Que tal aproveitar essa parada para uma profunda revisão de seus negócios e da sua vida profissional? Que tal aproveitar para se capacitar e se qualificar melhor para quando o mercado voltar mais forte? Há muitos cursos para se preparar para um novo momento. A plataforma AMPRO Saber, por exemplo, tem mais de 30 cursos pra quem quer se qualificar para o competitivo mercado do Live Marketing. Mas há muitas outras formas de se qualificar, várias delas gratuitas ou de baixo custo. A parada é obrigatória para os negócios e para seus deslocamentos, mas não para seu cérebro.

Alexis Pagliarini é presidente executivo da AMPRO – Associação de Marketing Promocional / Live Marketing

Fonte: Assessoria

Veja também:

07/04/2021
Empresas de turismo e eventos terão redução e isenção de impostos em Santos
As empresas ligadas aos setores de turismo e eventos, com sede em Santos, devem ser contempladas com redução e isenção de impostos, conforme projeto de lei enviado pelo prefeito Rogério Santos à Câmara Municipal de Santos, na última quarta-feira (31).
07/04/2021
ALAGEV reforça time com a chegada de Sandra Veloso
Profissional ficará à frente das atividades das Comunidades e dos eventos da instituição
05/04/2021
AMPRO e BRAG falam sobre benefícios para agências no Brasil e nos EUA
No próximo dia 8 de abril, a AMPRO – Associação de Marketing Promocional / Live Marketing e a BRAG – Brazilian Advertising Group farão uma live sobre o potencial da parceria entre ambas as entidades em benefício do mercado do Live Marketing brasileiro.
05/04/2021
Encontro entre ABIH Nacional e Marx Beltrão define pautas primordiais para hotelaria independente nacional
O deputado federal Marx Beltrão, ex-ministro do turismo, recém-eleito presidente da Frentur – Frente Parlamentar Mista em Defesa do Turismo, que reúne mais de 250 membros entre deputados e senadores, esteve reunido via videoconferência na tarde do dia 31 de março, com a hotelaria independente do país, representada pela Associação Brasileira da Indústria de Hotéis - ABIH Nacional e pelas ABIH´s estaduais.
Newsletter
Receba as novidades