Canais
Eventos
publicado em 01 de novembro de 2019 - 14h 6

Especialistas debatem

Plataforma colaborativa da Mark Up reuniu profissionais que estão na linha de frente da inovação e tecnologia para discutir tendências e desafios das novas formas de conteúdo.

Sergio Junqueira Arantes





Conteúdo, meios, criatividade, performance... Onde marcas e agências precisam colocar mais esforço, energia e investimento para que possam atingir suas metas de vendas, de imagem, de engajamento com o consumidor? Essa foi apenas uma das várias questões levantadas no MUBS 4.0 - A Transformação Digital e o Humano, evento realizado pela Mark Up que reuniu cinco expoentes em inovação, tecnologia e novas formas de conteúdo: Isabela Ventura, CEO da Squid; Edney Souza, diretor acadêmico na Digital House Brasil; Vinicius Zimmer, product lead for Apps Brazil no Google; Acchiles Milan, consultor de Inovação e Comunicação Digital; e Silvana Torres, presidente da Mark Up. O debate foi moderado por Laura Marquez, fundadora da IDHAUS, idealizadora da plataforma de discussões ColabHaus e especialista em comunicação digital e branding; e contou com transmissão ao vivo pelo Facebook da agência, que obteve um alcance de cerca de 70 mil pessoas, 25 mil views e 360 reações.

Em um mercado que está em constante mudança, os painelistas concordaram que nada mais está garantido. “Empresas e agências precisam se despir das fórmulas que deram certo no passado, pois os cenários estão mudando com mais rapidez do que em outras épocas”, diz Silvana Torres. “Uma coisa é certa: o ‘humano’ está no centro de toda essa revolução tecnológica que está acontecendo e o mercado ainda está descobrindo onde tudo isso vai dar”, completa.

“Hoje, consumidor é usuário. Se de um lado, ele ganhou voz e poder de interlocução, do outro, as marcas estão aprendendo a se posicionar”, conta Acchiles Milan. O consultor reforçou que, com a democratização da internet trazida pela tecnologia, grandes grupos internacionais disputam espaço com empresas de menor porte. “Temos acesso a montanhas de dados. Coletá-los não é mais o problema. A questão está na organização deles. E aí entra o fator humano, que é quem decide o que fazer com essas informações”, pontua.

Com 30 anos de experiência em tecnologia e comunicação, Edney Souza alertou que “as empresas que não olharem para os dados ou que não aprenderem a interpretá-los, ‘morrerão’ rapidamente”. Isabella reforçou ainda que “é preciso revisitar nossa maneira de trabalhar. Antes de toda essa tecnologia, necessitamos ir a campo, abordar as pessoas, priorizar o user experience. A tecnologia e os dados não podem ser polarizados, mas sim, unidos”.

Mesmo com toda a transformação digital, o diferencial competitivo está no Humano. É o usuário que decide se vai consumir o conteúdo, se acredita no discurso da marca, se compra o produto ou utiliza o serviço e se advoga a favor dela. Apps e super apps, que coletam uma quantidade enorme de dados, também entrarão na tomada de decisão dessas pessoas. “Esse relacionamento com o público-alvo passará a ficar mais difícil para as empresas quando a Lei de Proteção Geral de Dados entrar em vigor em 2020. Pois dependerá do usuário se ele quer ou não que seus dados sejam utilizados pelas marcas”, diz Vinicius Zimmer.

O que se concluiu do bate-papo entre os especialistas é que o mercado não precisa temer as novidades que virão por aí. Durante o painel, Silvano citou mais de uma vez Jeremy Rifkin, sendo questionada por um participante sobre Yuval Harari, disse que não gosta do pessimismo do autor de Homo Deus e Sapiens e prefere Rifkin que, apesar de saber que haverão muitos desafios, graças à Big Data e outras interfaces tecnológicas, acredita que no futuro todas as pessoas poderão participar do sistema econômico. Será a democratização da vida econômica. “O brasileiro tem uma capacidade enorme de se adaptar, de se reinventar. O Humano ainda está à frente de toda essa revolução. Só precisamos trabalhar com mais empatia e mais respeito à diversidade, sempre vivenciando o que o nosso consumidor e usuário deseja, almeja e sonha”, finaliza Silvana. Para assistir o MUBS 4.0 na íntegra, acesse aqui.

 Vinicius Zimmer, Edney Souza, Laura Marquez, Silvana Torres, Acchiles Milan e Isabela Ventura

Mark Up BrainStorm

Lançado em 2018, o MUBS – Mark Up BrainStorm, é uma plataforma aberta de discussão criada pela Mark Up, que passou por uma reformulação e agora conta com mais conteúdo e mais assuntos alinhados com os princípios da agência. No primeiro semestre deste ano, foi realizado o MUBS Elas, uma edição especial e comemorativa dos 25 anos da agência, cujo board é 100% feminino, que falou sobre empreendedorismo e liderança feminina.

“Foi um prazer ter recebido esses ícones da inovação e tecnologia para falarmos sobre os caminhos para a transformação digital, um movimento cada vez mais crucial no mercado em que atuamos. Estamos vivendo bons tempos, de muito aprendizado, mas ainda há muito trabalho e organização pela frente. Por isso é muito importante essa construção conjunta para aprimorar os processos e desenvolver o setor e, consequentemente, a economia do país”, afirma Silvana Torres.

Fonte: assessoria

Veja também:

20/11/2019
Eventos Brasil 2019 levará ao Ceará três dias de imersão no universo de eventos e sua cadeia produtiva
O 28° Congresso Brasileiro das Empresas e Profissionais de Eventos acontecerá de 2 a 4 de dezembro, no Centro de Eventos do Ceará.
20/11/2019
G10 das Favelas: evento quer atrair investimento, protagonismo e inclusão social às comunidades brasileiras
Objetivo é também organizar missões para levar lideranças das favelas para participar do Fórum Econômico Mundial, em Davos, no próximo ano.
20/11/2019
Primeira edição brasileira do Greentech Challenge
Evento dinamarquês roda o mundo para divulgar startups e empresas com tecnologia sustentável.
18/11/2019
Brasil é o novo centro de atualização e negócios em coquetelaria na América Latina
Com o BCB São Paulo, bartenders, mixologistas e profissionais do setor de bebidas têm acesso a conteúdo técnico e tendências globais sem sair da região.
Newsletter
Receba as novidades