Canais
Pesquisas
publicado em 19 de fevereiro de 2020 - 23h30

26% dos sites de operadoras de turismo não estão seguros para compras online, mostra estudo da Serasa Experian

Compras de ingressos na internet também podem trazer riscos para os usuários, já que 46% dos endereços eletrônicos desta categoria estão desprotegidos; especialistas dão 5 dicas para o consumidor se proteger.

Da Redação

Já estamos em clima de Carnaval e muitos brasileiros devem aproveitar o período de festa para viajar e se divertir pelo país. Porém, quem ainda não se programou e deixou para comprar pacotes de viagens de última hora pela internet, precisa ter cuidado redobrado para não sofrer prejuízos financeiros. Segundo estudo especial da Serasa Experian, 26% dos sites de operadoras de turismo não estão seguros para compras online, ou seja, não possuem o certificado de segurança SSL (Secure Socket Layer), que promove uma conexão segura utilizando a criptografia entre o servidor e os dados trafegados. Ao fazer uma transação em um site que não tenha o certificado, além do risco de pagar por uma viagem que não existe, as informações pessoais inseridas na suposta compra podem ser roubadas e utilizadas em ações de hackers.

Segundo o diretor de Identidade Digital da Serasa Experian, Maurício Balassiano, a certificação SSL garante que as transações efetuadas naquele endereço eletrônico estejam protegidas. “Em sites desprotegidos, há brechas para que golpistas consigam copiar as informações trocadas durante uma transação, o chamado phishing*. Dados como nome, endereço e CPF, por exemplo, podem ser usados por terceiros para firmar negócios sob falsidade ideológica ou obter crédito em nome de outras pessoas, trazendo graves prejuízos para o consumidor”, comenta.

Outro dado do levantamento mostra que as compras de ingressos também podem estar comprometidas, já que 45% dos sites categorizados como ´Eventos´, que podem oferecer esse tipo de produto, não contam com a proteção SSL. “As pessoas adquirem as entradas nestes sites e, além de correrem o risco de receberem ingressos falsos, ainda podem ter seus dados bancários roubados. É fundamental que o consumidor dobre os cuidados, pois períodos de grande movimento, como o Carnaval, acabam virando oportunidade para que pessoas mal-intencionadas apliquem golpes”, afirma Balassiano.

Como identificar um site seguro?

Para verificar se o site possui o certificado SSL, basta verificar se há um cadeado fechado no browser. Em caso positivo, clique em cima e verifique se ele está emitido em nome da loja na qual você está comprando. Também é possível verificar se na barra de endereço há um “s” após o http (“https”), que indica segurança, e alguns navegadores podem ainda incluir no mesmo local a indicação de “Seguro” e “Não Seguro”. Normalmente também há um selo de segurança atribuído pelo fornecedor do certificado, que pode ser encontrado no próprio site.

Além disso, os especialistas da Serasa Experian prepararam 5 dicas para o consumidor se proteger:

  1. Só inclua suas informações pessoais e dados de cartão de crédito se tiver certeza de que se trata de um ambiente seguro. Uma prática muito utilizada pelos golpistas no ambiente online é a de *phishing, pela qual os criminosos copiam as informações trocadas durante uma transação para utilizá-las posteriormente em uma fraude de identidade
  2. Desconfie sempre de ofertas com preços muito abaixo do mercado e milagrosas. E-mails com valores, promoções e vantagens muito especiais merecem desconfiança. Nesses momentos, é muito comum que os cibercriminosos usem nomes de lojas bastante conhecidas para tentar invadir o seu computador. Eles se valem de e-mails, SMS e réplicas de sites para tentar pegar informações e dados de cartão de crédito, senhas e informações pessoais do comprador
  3. Em caso de ofertas de lojas desconhecidas, faça uma pesquisa em sites dedicados à avaliação e reputação de lojas virtuais
  4. Atenção com links e arquivos compartilhados em grupos de mensagens de redes sociais. Eles podem ser maliciosos e direcionar para páginas não seguras, que contaminem os dispositivos com vírus para funcionarem sem que o usuário perceba
  5. É extremamente importante manter atualizado o antivírus do seu computador, diminuindo os riscos de ter seus dados pessoais roubados por arquivos espiões

Metodologia do estudo

A Serasa Experian encomendou o estudo da BigData Corp., que captura e processa continuamente dados obtidos a partir de mais de 23 milhões de sites brasileiros (e mais de 1,5 bilhão no mundo todo). Para esta pesquisa, a empresa trabalhou com resultados obtidos na primeira semana de fevereiro de 2020.

*Phishing: prática, como o nome sugere (“phishing” em inglês corresponde a “pescaria”) de “pescar” informações e dados pessoais importantes, como senhas, CPF, número de cartão de crédito e de contas bancárias, através de mensagens falsas.

Você também lê esta notícia no site da Serasa Experian.

Fonte: assessoria

Veja também:

08/04/2020
Streaming ganha força e ajuda empresas a expandirem comunicação durante home office
Aa procura pela alternativa digital já mostra resultados: segundo dados da Apptopia, o volume diário de usuários móveis da Zoom nos EUA atingiu o recorde de 4,84 milhões no final de março.
06/04/2020
III Pesquisa Portal Eventos Impactos do Covid-19: A Indústria de Eventos Continua Sofrendo.
Para que os eventos voltem a acontecer, um dos fatores principais é a viabilidade da participação em eventos. O que no momento indica ser difícil.
01/04/2020
Open Travel: Coronavírus afetou o comércio de viagens corporativas
A primeira Travel Tech do Brasil diz que o ideal é adiar as viagens.
26/03/2020
ALAGEV apresenta novos dados sobre o impacto do Coronavírus no mercado de viagens e eventos corporativos
Em novo estudo, mercado sente desaceleração, mas se mantém otimista quanto a retomada ainda neste ano.
Newsletter
Receba as novidades