Canais
Pesquisas
publicado em 01 de março de 2021 -  1h22

Com mais de 10,2 milhões de testes de COVID-19 em 2020, setor privado foi responsável por 43,1% de todo o diagnóstico do país

Ao longo do ano passado foram feitos 4,5 milhões de RT-PCR, padrão ouro para detecção da infecção pelo novo coronavírus, e 5,7 milhões de testes sorológicos

Sergio Junqueira Arantes

Nesse 26 de fevereiro completamos um ano do primeiro caso confirmado de COVID-19 no Brasil. Ao longo desses 365 dias de combate à pandemia, o setor de diagnóstico assumiu o papel de protagonista na gestão da crise e o suporte da saúde suplementar ao SUS se mostrou ainda mais relevante. Essa percepção é reforçada por dados recentemente levantados pela Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed): os laboratórios privados associados à entidade realizaram – entre fevereiro e dezembro de 2020 – 10,2 milhões de testes para detecção da COVID-19, número que representa aproximadamente 43,1% de todos os exames para esse fim feitos no país.

Desse montante, 4,5 milhões foram exames RT-PCR (padrão ouro para detecção da infecção pelo novo coronavírus na fase ativa da doença) e 5,7 milhões foram testes sorológicos. “Esses números evidenciam a atuação expressiva do conjunto de empresas associadas à Abramed no enfrentamento da crise desde o início do ano passado”, pontua Wilson Shcolnik, presidente do Conselho de Administração da entidade.

Há um ano, quando o surto estava apenas começando no Brasil, os laboratórios privados rapidamente se mobilizaram para desenvolver, in house, os primeiros kits para diagnóstico da doença. “Mesmo diante da escassez global de insumos, a rede privada conseguiu dar início à testagem de forma ágil, permitindo a detecção do vírus o mais rápido possível e auxiliando a indicação do tratamento clínico mais adequado. Além disso, foi essencial para gerenciamento dos casos e a tomada de decisão sobre medidas de isolamento necessárias para evitar a disseminação acelerada do patógeno”, complementa Shcolnik.

Posteriormente, esses mesmos laboratórios também atuaram na busca por exames alternativos e, hoje, temos uma sequência de testes que contribuem com a detecção da infecção. Além do RT-PCR e dos testes sorológicos capazes de identificar anticorpos e, assim, mostrar que aquele paciente já teve algum contato com o vírus, estão disponíveis outras modalidades diagnósticas como a proteômica, o RT-LAMP, o sequenciamento genético de nova geração, e os exames de imagem que contribuem com a melhor compreensão sobre o comprometimento pulmonar ocasionado pela doença.

Paralelamente à grande quantidade de testes para COVID-19 realizados ao longo de 12 meses, o setor demonstra preocupação com o represamento de tantos outros exames indispensáveis à prevenção e diagnóstico precoce de patologias. Em abril de 2020, por exemplo, quando a crise estava em um momento de ápice e diante de uma população bastante assustada, houve redução de 62% no número de autorizações emitidas pelos planos de saúde para realização de exames e terapias. A queda persistiu por meses até que, em novembro, as autorizações entraram novamente em uma margem positiva e voltaram a subir. Dessa forma, estima-se uma redução de 15,3% no total de exames complementares previstos na saúde suplementar, o que representa um total de 147 milhões em 2020.

Sobre a Abramed

Fundada em 2010, a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica – ABRAMED, surgiu num momento de transformações no sistema de saúde brasileiro, entre elas a consolidação de um novo perfil empresarial e o estabelecimento de regulamentações determinantes para o futuro da medicina diagnóstica no país. Esse cenário foi propício para que as empresas com atuação de ponta no país vislumbrassem os benefícios de uma ação integrada em torno da defesa de causas comuns.

A ABRAMED expressa também a visão de um setor de grande relevância socioeconômica, cujo desempenho tem impacto significativo sobre a saúde de parcela expressiva da população.

Segundo dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), nada menos do que 50 milhões de brasileiros são beneficiários potenciais dos serviços disponibilizados pelo setor.

Como instrumento aglutinador de um segmento que mobiliza uma vasta cadeia de valor, a ABRAMED verbaliza os anseios de seus associados, atuando no diálogo com instituições públicas, governamentais e regulatórias, buscando contribuir para o debate nacional sobre saúde e influenciar na adoção de políticas e medidas que levem em conta a relevância da medicina diagnóstica para a população do país. A representatividade da ABRAMED se traduz ainda na parceria com a comunidade científica e no diálogo com as demais entidades do setor e com a sociedade civil.

A ABRAMED conta com associados, que, juntos, respondem por mais de 60% de todos os exames realizados pela saúde suplementar no país. Essas empresas também são reconhecidas por sua qualidade na prestação de serviços, pela excelência tecnológica e pelas práticas avançadas de gestão, inovação, governança e responsabilidade corporativa.

Veja também:

20/07/2021
Pandemia modificou o perfil de compra do consumidor e as operadoras têm respondido às novas demanda
Desde abril de 2020, a BRAZTOA tem provido o mercado com levantamentos mensais sobre o setor de Turismo.
15/07/2021
Conheça dez dicas para aumentar a produtividade como empreendedor
Agente Local de Inovação conta com técnicas simples que auxiliam na melhoria do rendimento nos negócios e na vida pessoal
09/07/2021
Pequenos negócios recuperam perdas do primeiro trimestre de 2021
É o que aponta a Sondagem Econômica das MPE, elaborada pelo Sebrae em parceria com a FGV, com a retomada da confiança pelo 3º mês consecutivo
05/07/2021
Pesquisa ABIH-SP mede desempenho da hotelaria em maio
A tabulação dos dados da sondagem, que chegou à 11ª edição no mês de maio/21, revela que houve ligeiro aumento na quantidade de hotéis abertos. Alcançou 97,17% do total pesquisado, contra 95,73% registrado no mês de abril/21.
Newsletter
Receba as novidades