Canais
Políticas do Turismo
publicado em 22 de março de 2021 -  1h29

Skãl International debateu os Benefícios e Riscos do Passaporte de Saúde.

O Skal International, Associação Mundial de Profissionais de Turismo, realizou um Webinar para debater os Benefícios e Riscos de um Passaporte de Saúde. Os palestrantes foram Eduardo Santander, CEO da European Travel Commissioon, de Bruxelas, e Mario Hardy, CEO da PATA Pacífica Asia Travel Association, de Bangkok, tendo a CEO do Skãl International, de Madrid, como mediadora.

Da Redação

O Skal International, Associação Mundial de Profissionais de Turismo, realizou um Webinar para debater os Benefícios e Riscos de um Passaporte de Saúde. Os palestrantes foram Eduardo Santander, CEO da European Travel Commissioon, de Bruxelas, e Mario Hardy, CEO da PATA Pacífica Asia Travel Association, de Bangkok, tendo a CEO do Skãl International, Daniela Otero, de Madrid, como mediadora.

O webinar teve o dom de reforças informações sobre as quais já tínhamos conhecimento, por haver lido ou discutido nos últimos tempos. “A recuperação será muito lenta”, “Todos nós precisamos ajudar e dar suporte uns aos outros”, “O Certificado não deverá discriminar qualquer pessoa, seja europeu, russo, brasileiro etc.”, e acrescentou alguns fatos objetivos, na maior parte previsíveis, mas que é sempre bom saber que estão sendo considerados.

Segundo os palestrantes, o Certificado de Vacinação, ou se Saúde, em princípio poderá ser como uma extensão, uma página adicional do certificado internacional da Febre Amarela, mas com maiores medidas de segurança, para evitar ocorrências com a do grupo de jovens turistas argentinos que apresentou certificados falsificados na chegada em Cancún.

A China já desenvolveu seu Certificado e já está trabalhando com ele. A União Europeia anunciou que está formatando seu Green Certificate. A IATA e as companhias aéreas também estão trilhando este caminho.

Todos concordam sobre a necessidade de haver um único Certificado, aceito internacionalmente, para evitar a confusão de 2020, com medidas unilaterais, bilaterais e multilaterais que conflitavam entre si; ou o caos gerado na segurança da aviação em 2001.

Como deverá ser o certificado

Formato:

• O certificado será digital, mas com versão em papel também

• QR Code já é o padrão nas versões sendo desenvolvidas

Custo: gratuito

Idioma: bilíngue – inglês e idioma local principal

Dados: apresentados de forma clara, provavelmente com data, tipo e lote da vacina ou os dados de testagem negativa. Há preocupação quanto à privacidade de dados.

* Compilado por Lawrence Reinisch

Veja também:

05/04/2021
Comissão debate ajuda a empresas de turismo durante pandemia
A Comissão de Turismo da Câmara dos Deputados promove audiência pública para debater o Fundo Geral do Turismo (Fungetur), na próxima quinta-feira (08.03).
29/03/2021
Fornatur debate ações de apoio à iniciativa privada
São Paulo reforça necessidade das linhas federais, como Pronampe e Fungetur
19/03/2021
O Passaporte de Vacina
Num futuro próximo, as viagens (e os eventos) poderão requerer documentação digital que demonstre que os passageiros foram vacinados ou testados contra o coronavírus. Entre os governos e os da indústria de viagens {e eventos}, um novo termo entrou no vocabulário: passaporte de vacinas. Por Tariro Mzezewa
17/03/2021
Cetur se reúne com presidente da Comissão de Turismo da Câmara dos Deputados
Essa foi a primeira reunião do presidente da Comissão de Turismo
Newsletter
Receba as novidades