Canais
Tecnologia para Eventos
publicado em 02 de setembro de 2021 -  9h30

A quem pertencem os dados

O auditor de eventos globais, presidente e CEO da BPA, Glenn Hansen, discute a necessidade de padrões em eventos digitais, incluindo propriedade de dados.

Sergio Junqueira Arantes

 Glenn Hansen
O auditor de eventos globais, presidente e CEO da BPA, Glenn Hansen, discute a necessidade de padrões em eventos digitais, incluindo propriedade de dados.

Em junho de 2020, a BPA Worldwide publicou uma carta aberta à indústria sobre o assunto de vazamento de dados no fluxo de licitação. Ainda era o início da pandemia de Covid e os eventos digitais estavam começando a se tornar normais. Nossos escritos naquela época referiam-se ao ecossistema digital e ao processo de compra e venda programática. Com o advento do processo de licitação, a publicidade fica exposta a todas as partes interessadas, simultaneamente. Para auxiliar o processo de avaliação dos compradores, os dados do usuário são disponibilizados a todos os licitantes no espaço publicitário. Ele é projetado para ajudar os anunciantes a atingir o público-alvo desejado com um processo de compra eficiente. Faz sentido.

No entanto, o que também acontece é que algumas plataformas de dados licitam em espaços publicitários sem intenção de ganhar o lance. Em vez disso, eles estão lá para colher os dados dos usuários da web e convertê-los em produtos e serviços. O coletor de dados então geraria receita em detrimento da empresa de mídia que originalmente oferecia um anúncio ao usuário.

De modo geral, as empresas de mídia não estavam cientes dos dados de seus usuários sendo coletados no fluxo de licitações. Os signatários de nossa carta aberta trabalharam com o BPA para atualizar os termos e condições padrão do IAB para melhor abordar a propriedade dos dados.

Então, o que dizer da indústria de eventos? É evidente que a crise da Covid-19 perturbou o setor tanto quanto o de viagens (e alguns outros). Como resultado, testemunhamos uma mudança de eventos presenciais para conferências e eventos digitais. Essa mudança foi rápida e sem muita supervisão do setor para as plataformas de eventos digitais (DEPs) que fornecem a tecnologia. Foi-me relatado pela última vez que existem mais de 300 dessas empresas oferecendo serviços aos organizadores hoje.

Os organizadores de eventos digitais nos abordaram como seus auditores de eventos face a face e perguntaram quais métricas deveriam ser usadas para participação e expositores para que eles pudessem enviar seu evento digital para 'status de aprovado' pela UFI (Associação Global da Indústria de Exposições) como fizeram para eventos presenciais.

Isso levou a alguma pesquisa de nossa parte e encontramos uma falta geral de padrões nos DEPs. Os termos não eram comumente definidos. Os critérios necessários para atender a uma definição não eram universais. Não havia nenhuma norma para o formato dos dados.

Organizamos um grupo de trabalho tripartite Reporting Standards for Digital Events (RSDE) composto pela perspectiva do expositor, organizadores de eventos, analisadores de dados e DEPs para abordar o assunto. Nosso projeto tem três fases. Em primeiro lugar, para recomendar métricas de eventos digitais à UFI para incorporação em suas Regras de Auditoria para Estatísticas de Eventos Aprovados pela UFI. Em segundo lugar, para estabelecer padrões de eventos digitais para uma taxonomia, critérios e formato de dados, 'RSDE', bem como um programa de conformidade para verificar se a tecnologia DEP está de acordo com os padrões. Conseguir isso permite que os organizadores façam comparações com conforto. Terceiro, para oferecer termos e condições padrão para os organizadores considerarem ao estabelecer a propriedade dos dados com uma plataforma digital de eventos.

Chegamos à fase três depois de nos perguntar: 'Os DEPs são semelhantes aos coletores de dados bidstream?' Quando os organizadores de eventos consideram eventos digitais e DEPs de compras, os organizadores estão prestando atenção aos contratos? Eles estão tratando de quem é o proprietário dos dados, como os dados são armazenados e para que os dados podem ser usados?

Alguns DEPs procuram usar dados para criar mercados 24/7/365, em vez de eventos únicos. Esses mercados são propriedade do organizador do evento, de quem os dados dos participantes estão sendo coletados? Os dados dos participantes devem ser anônimos e compartilhados por todos os organizadores do evento usando o mesmo DEP?

Nosso grupo de trabalho concluiu a primeira fase no final de março. A fase dois agora está disponível para comentários públicos. A fase três está sendo realizada e esperamos que sejam liberados para comentários públicos até o final de setembro. Estou ansioso para ouvir sua opinião sobre o assunto.

_______________________________________________________

PUBLICADO SOB LICENÇA MASH MEDIA. CONFERENCE & MEETING WORLD DIGITAL. DIREITOS RESERVADOS. TEXTO ORIGINAL EM INGLÉS ESTÁ EM WWW.C-MW.NET


Veja também:

03/10/2021
Confraternização online:motivação de equipes e festa virtual corporativa
Uma Confraternização online ou uma festa online é o ato de planejar, organizar e executar um evento de forma digital, utilizando o poder da internet e do Streaming para transmitir ao vivo um conteúdo, gerando interação e descontração para um determinado grupo de colaboradores.
24/09/2021
Adobe e Gerando Falcões se unem sobre o papel da tecnologia no combate à desigualdade social
Federico Grosso, general manager da Adobe Latam, entrevista o CEO e fundador da Gerando Falcões, Edu Lyra, sobre estratégias digitais para criar um marketing automatizado e orientado a dados visando obter mais resultados com doações
17/09/2021
Adaptando fluxos de trabalho de transmissão para o espaço de exposição
Adaptando fluxos de trabalho de transmissão para o espaço de exposição Ricardo Montesa, CEO da fornecedora de gráficos 3D para transmissões, Brainstorm , acredita que a indústria de eventos está mais sintonizada com a indústria de broadcasting e tira algumas lições que a indústria de eventos pode aprender com isso.
14/09/2021
Geração Alpha: 'mais Gen Z do que Gen Z'
Tay Ling, vice-presidente da TBA Hong Kong, Pico Group, explora como as novas gerações forçarão um ajuste no marketing da marca e na indústria de eventos:
Newsletter
Receba as novidades