Feiras & Exposições
Paulo Passos
"Não olhe para o ciclo de vida do produto: olhe para o ciclo de vida do mercado"
Philip Kotler
14
abril
2020

É Negócio Ou Trabalho? A magia da pergunta está na simplicidade com que se apresenta, mas, será que é tão simples assim?

escrito por Paulo Passos

Recentemente, apresentei uma oportunidade de negócio a um amigo e após breves comentários quanto à oportunidade apresentada, ávido por sua opinião, escutei a seguinte pergunta: isto é um negócio ou um trabalho?

Confesso que não entendi de pronto a profundidade da pergunta. Ora, não estou trabalhando? Meu trabalho não se inicia fazendo negócios? Fiquei com a pergunta em minha mente, remoendo e tentando entender a amplitude da questão.

De repente, “eureca”! Me veio à mente todo um livro de definições, propósitos, meios e por que não, filosofia de trabalho nesta simples pergunta: É trabalho ou negócio?

Vejamos...

Em nosso dia a dia, o setor de eventos é recheado de “oportunidades” que, na realidade, não são bons negócios e sim trabalhos. É o famoso negócio, ou melhor dizendo, trabalho!

Exemplos? Famoso cliente que paga a perder de vista, briefing para evento a realizar-se antes de ontem, jobs com verbas realmente não condizentes com o briefing são típicas “oportunidades” que se apresentam invariavelmente.

Alguns trabalhos são ainda pautados na famosa filosofia da lei de “Gerson” – para os mais novos: a lei do que gosta de” levar vantagem em tudo”.

Ano passado, em evento promovido e organizado pelo “trade”, conversando com associado da entidade, falávamos da difícil arte de dizer não, até por que, cada um sabe onde dói seu calo.

Estes dias, conversando com outro colega, pontuava que fornecedor de longa data, já não aceitava mais determinados jobs. Estava escolhendo negócios e quer saber? Esta empresa vai de vento em popa!

Outra empresa, de reconhecida competência, mas famosa por sua política de preços baixos, aceitou por anos “trabalhos” sem se preocupar com “negócios”. Podem imaginar o grau de saúde financeira atual desta empresa?

Quantas vezes não nos deparamos com orçamentos fora do contexto, eventos com prazos curtos para planejamento e montagem, serviços com custos de logística desproporcionais ao jobs, isto, apenas para exemplificar alguns “trabalhos”.

Já o negócio, é o trabalho que gera contentamento, lucro e resultado para ambos os lados. O cliente recebe o que pediu, no prazo e verba correta. Todos ganham!

Fácil, não?

Não, não é!

A pressão que vivemos, contas, aluguel, taxas, folhas de pagamento, impostos, + impostos acabam por nos induzir ao caminho dos “trabalhos”. Uma verdadeira maratona onde não conseguimos parar para analisar se realmente vale à pena. Pior, quando sabemos que não vale à pena e não encontramos soluções no momento. Entramos em um círculo vicioso!

Outro dia, tentei vender este “peixe” ao meu filho mais novo. Fiz a seguinte analogia:

- Filho, se prestar atenção na aula, chegar em casa, fizer o dever de casa e relembrar o que estudou durante o dia, não investirá mais do que duas horas diariamente. Terá tempo para praticar seus esportes ou jogos que tanto gosta. Quando estiver na semana de prova, releia tudo, e quando possível, faça alguns exercícios. A chance de ir bem na prova é muito grande. Isto, é um negócio!

Agora, se não prestar atenção na aula, se não estudar diariamente, na véspera da prova irá se internar nos livros, possivelmente não dormindo na noite anterior ao exame, o que fatalmente, irá comprometer o resultado. Isto é trabalho!

Nesta quase infantil analogia, vemos que a principal diferença entre negócio e trabalho está no resultado. Será que, ao nos comprometermos com diversos “trabalhos”, não estamos também comprometendo o resultado? Não me refiro ao que será entregue, pois via de regra, entregamos com louvor nossos jobs, mas sim, à saúde financeira de nossos negócios. Absorvidos com inúmeros trabalhos, não nos permitimos dedicar tempo e saúde a planejamento, análise de mercado e estudos de jobs que tenham mais nosso perfil.

O petróleo do presente é o conhecimento. Investir tempo na análise de potenciais jobs é investir na sua empresa e em você.

Vence, não quem trabalha 14 horas por dia, mas quem trabalha 8 horas com paixão, prazer, foco, conhecimento, equipe, sorte e análise.

Agora, se existe algo de positivo na situação surreal que estamos passando, é a oportunidade ímpar de podermos humanizar, com lucro para ambos os lados, nossas relações comerciais. Uma tentativa de transformar trabalhos em negócios.

Clientes e fornecedores são parte de um sistema simbiótico e para tanto, necessitam um do outro. Uma relação comercial justa (fair trade) que possibilite a sustentabilidade econômica de toda cadeia, considerando ainda aspectos sociais e ambientais equilibrados.

O fato é que, para realização de negócios, dependemos da saudabilidade de todos os envolvidos para geração de oportunidades.

Afinal, cabe apenas escolhermos: esta oportunidade será um trabalho ou um negócio?

Antes que esqueça, meu filho preferiu o trabalho e......... repetiu de ano!

Arquivos
Buscar nos Blogs
O que deseja procurar?
Escritores
Newsletter
Receba as novidades