Gestão Estratégica (e Holística) de Viagens e Eventos Corporativos
Fernão Loureiro
Quer você acredite que consiga fazer uma coisa ou não, você está certo.
Henry Ford
11
agosto
2020

Vídeo Sobre Escritórios-flexíveis + Artigo: “não Confunda Política Com Politicagem Dentro de Sua Organização!

escrito por Fernão Loureiro

Oi Pessoal!

Cynthia Caggiano é uma Hoteleira de formação e coração, com 27 anos de carreira, e que sempre se reinventou. Agora, atua na Regus (conhecida pelos escritórios compartilhados) e está descobrindo um mundo completamente novo de formas e locais de trabalho.









**********************************************************************************************************

Artigo para reflexão!

Não confunda política com politicagem dentro de sua organização! LÍDERES FAZEM POLÍTICA, E CHEFES FAZEM POLITICAGEM.

Com muita frequência, ouço as pessoas dizerem: “nossa, detesto política” ou “nossa, tem muita política dentro da minha empresa – não sei lidar com isto”. E ambas frases me preocupam muito em relação a estas e outras boas pessoas que as expressam.

Queria alertar aos que dizem isto que há três coisas a se atentarem neste caso:

1- Política é uma arte e uma ciência, e sem ela, não existe sociedade civilizada (nossa economia é mal administrada porque tivemos e temos políticas econômicas ruins);

2- Não saber ser político é ruim para você – procure desenvolver estas habilidades;

3- Fazer política (dentro de casa, do trabalho, da sua associação religiosa e até de seu relacionamento afetivo) é MUITO diferente de fazer politicagem – esta sim é perigosa.

Justamente pela aversão que nossa sociedade tem com temas políticos, temos no Brasil tão nefasta representação em nossos poderes legislativo e executivo. Os incompetentes, os corruptos e os mais ousados se aproveitam disto para nos representar. Existe uma frase que diz: “não existe vácuo de poder” – e não existe mesmo! Estes políticos profissionais conseguiram denegrir a imagem de uma arte tão bela, que existe desde os tempos do Império Romano e da Grécia Antiga, baseada em discussões de ideias, filosofia e propósitos.

Eles denegriram a tal ponto que podem estar atrapalhando a carreira de milhares de profissionais, que se eximem de serem políticos em suas organizações, e abrem espaço para os que praticam a politicagem pura e simples:

1- Adulação de superiores (os famosos puxa-saco) e comportamento agressivo com pessoas de cargos inferiores;

2- Troca explícita de favores;

3- Promoções injustas de aduladores, gestores que são tóxicos para suas equipes, etc.

Fazer Política dentro de sua organização é saber negociar com outras áreas, posicionar-se internamente em temas que perpassam o seu próprio quadrado. Estes “quadrados” inclusive desaparecem cada vez mais com a horizontalização das estruturas e com a diminuição das hierarquias, a criação de verdadeiros times e a entrada de metodologias ágeis.

Ser Político é saber apoiar ou criticar construtivamente um projeto (críticas embasadas em fatos e dados e não em percepções ou achismos, e de preferência com sugestões de solução).

Ser político é evitar o conflito baixo e sem valor agregado para qualquer frente, evitar a criação de “climas” e situações desagradáveis, sem por isso ser omisso, negligente ou receoso em se expor.

Ser político é saber defender sua equipe sem parecer um pai ou mãe superprotetores – “se é da minha equipe, não está errado”. Para estes gestores, o erro está em quem reclama (como um pai ou mãe que mima demasiadamente seus filhos), e sequer cogitam a hipótese de pedir desculpas à área reclamante.

Ser político é ser inteligente, enxergar e pensar a longo prazo sem se esquecer do detalhado dia-a-dia operacional; é saber ceder sem se sentir rebaixado, administrar bem seu ego por ter que perder uma batalha para ganhar uma guerra!

Não abra mão de ser um bom político dentro de sua empresa; aquele que constrói consensos, união entre equipes, negocia termos e condições entre as partes; que coordena as pessoas rumo a um objetivo comum.

Fala-se muito de ser um LÍDER e não um chefe – e como ser um bom líder se não for um bom político?

Faz-se muito a comparação Líder Vs Chefe: pois eu vou além, digo que LÍDERES fazem POLÍTICA e CHEFES fazem POLITICAGEM

A capacidade de ouvir, dialogar, ponderar e equilibrar o tabuleiro é a que determina não apenas a subida na escala hierárquica, mas a permanência nos degraus mais altos.

Quantos superexecutivos, inteligentes e focados em resultados que chegaram em altas posições e saíram de lá chamuscados por sua falta de habilidade política? Ser político não é ser falso, ao contrário do que se arvoram os mal-educados e os grosseiros (“sou assim e gostem de mim se quiserem, se não quiserem tudo bem”…. ou “aos amigos do Rei, tudo; aos inimigos, a morte”; “ou me amam ou me odeiam, comigo não tem meio termo”).

Tenho preguiça destas frases, e a minha geração e a que vem chegando depois cada vez mais também é contaminada por essa mesma preguiça.

Não pratique a politicagem também. Não aja movido APENAS por seus interesses pessoais (seria hipócrita dizer que nunca temos segundos interesses), mas apenas seja equilibrado e justo na busca da realização dos seus. Não arme conchavos para desgastar alguém, não fofoque (e não permita que fofoquem em sua frente), não dê abertura a comentários maldosos ou não articule para prejudicar um projeto, área ou profissional. Isto sim é politicagem, e é reprovável.

Mas, mais importante que tudo – vá a luta, e use a política, o posicionamento e os mecanismos desta bela ciência humana para defender sua área, sua carreira e sua equipe! Apenas não esqueça que faz parte da Política perder.

Arquivos
Buscar nos Blogs
O que deseja procurar?
Escritores
Newsletter
Receba as novidades