Mercado & Eventos
Rui Carvalho
Não concordo com uma palavra do que dizeis, mas defenderei até à morte o vosso direito de dizê-lo
François Marie Arouet – Voltaire
27
maio
2014

Já Ganhamos A Copa!

escrito por Rui Carvalho
Recentemente a ICCA - International Congress and Convention Association, publicou o esperado ranking que classifica as cidades e países que mais receberam eventos internacionais em 2013. O Brasil, como país, caiu da sétima para a nona posição, ainda assim, como convém, continuamos pertencendo ao clube dos "top ten". Já no ranking das cidades brasileiras, Foz do Iguaçu, que ocupava o quinto lugar em 2012, aparece agora em terceiro, atrás apenas do Rio de Janeiro (1°lugar) e de São Paulo (2°lugar). Sob qualquer aspecto é um grande resultado, porém, se analisarmos as circunstâncias em que ele foi alcançado, a coisa fica ainda melhor, com sabor de título. Antes de tudo é preciso entender que o Rio e São Paulo disputam outro campeonato, um torneio privativo com lugar exclusivo para esses dois gigantes. De fato, ao analisarmos os números, verificamos que o Rio recebeu 76 eventos, contra 70 eventos da capital paulista. Foz do Iguaçu, por sua vez, realizou 15 eventos padrão ICCA. Por aí se vê que disputamos torneios distintos e jamais alguma cidade brasileira deverá incomodar os dois primeiros, que costumam alternar-se no topo da tabela. Assim sendo, convido os leitores a não olhar para cima, mas para trás. Estamos perante mais uma forma de ver a questão do copo meio cheio ou meio vazio. Para nós, já que não podemos comparar-nos com os dois primeiros, nem sonhar em alcançá-los, resta-nos olhar para trás e constatar quanta gente enxergamos pelo retrovisor. Ao obter o terceiro lugar, Foz do Iguaçu coloca-se à frente de importantes destinos de eventos como Salvador, Recife, Brasília, Porto Alegre, Florianópolis e Belo Horizonte, para citar apenas alguns. É de notar também que todas essas cidades são capitais de Estado, ou seja, Foz do Iguaçu é a primeira colocada entre as não capitais. Por isso digo que podemos comemorar essa classificação como se fosse a nossa Copa do Mundo. 

Em eventos internacionais nós já ganhamos a Copa! Mas não se iludam, não foi fácil. Essa conquista foi resultado de um trabalho de equipe entre vários players. Só com o esforço e a união do trade iguaçuense foi possível atingir esse patamar. O trabalho integrado do Iguassu Convention & Visitors Bureau - ICVB, com seus parceiros de Itaipu, da SMTUR e COMTUR, entre outros, é que proporcionou essa vitória num campeonato tão competitivo. Mas tem mais. É preciso destacar que Foz ainda apresenta alguns entraves à sua consolidação definitiva como destino de eventos. O principal deles é a malha aérea ainda pobre e ineficiente. As companhias aéreas, na ausência de mais concorrência e com a ocupação em alta devido ao grande fluxo do turismo de lazer, elevam os preços a níveis, por vezes, proibitivos, prejudicando nossa competitividade nos processos de captação e defesa de candidaturas. Precisamos levar em conta também, que, por ser um destino consagrado de lazer e natureza, Foz do Iguaçu só há bem pouco tempo decidiu apostar profissionalmente no segmento de eventos associativos. A tradição sempre foi a de destino de lazer, e o próprio ICVB ressentia-se da falta de uma política clara de apoio à captação de eventos. Com a renovação da diretoria e da equipe técnica, e a contratação de profissionais especializados, a entidade resolveu apostar no segmento e definiu critérios claros para o setor. É evidente que o resultado verificado no ranking de 2013 ainda não reflete completamente esse ajuste de rumo. Como disse antes, esse honroso terceiro lugar é fruto do trabalho persistente dos últimos anos, e, um triunfo a muitas mãos. Entretanto, estar nessa posição num "campeonato" tão importante é mais que um estímulo para que façamos cada vez mais e melhor. 
Em 2014, por exemplo, por conta da nova política de apoio já captamos 11 eventos apenas nos primeiros quatro meses. Mesmo com a esperada desaceleração do setor por conta da Copa e das eleições, que pressupõe um ano atípico, devemos encerrar o exercício com números mais robustos do que no ano passado. Mas nossa aposta é a partir de 2015. Vamos aproveitar 2014 par treinar o time, testar processos, capacitar técnicos e acelerar as turbinas para uma decolagem segura e constante a partir do ano que vem. 

A importância do ranking ICCA, como sempre disse, é relativa. Não podemos nos deixar impressionar por ele, pois estamos falando, no nosso caso específico, de 15 eventos num ano em que o ICVB trabalhou mais de 60. O ranking é apenas referencial e não reflete o trabalho executado pela entidade em todos os segmentos. Entretanto, como ainda não há um ranking nacional (o que é uma lástima), somos obrigados a agarrar-nos a esse como um náufrago agarra a tábua de salvação. Mas não há nada de errado em dar destaque a uma posição que permite que comparemos nossos resultados com os de nossos principais concorrentes. Os critérios foram os mesmos, as oportunidades também. Assumimos assim nosso orgulho por estar em lugar de destaque nesse indicador, embora esse sentimento não sirva de desculpa para nos desviar dos objetivos maiores. Não importa se em 2014 vamos manter o terceiro lugar. Isso, para nós, tem importância relativa. O que importa, isso sim, é que Foz do Iguaçu está de fato empenhada em ser uma excelente alternativa aos grandes centros para a realização de eventos de sucesso. Temos atrativos únicos no mundo, parque hoteleiro modernos e bem dimensionado (acaba de ser anunciada a construção do maior hotel da América Latina, com 960 apartamentos), temos serviços qualificados e um CVB competente, ativo e com uma diretoria antenada com os novos tempos. O resultado só pode ser positivo nos próximos anos. Só falta agora o mercado perceber que a Foz do Iguaçu de hoje, tanto em lazer quanto em eventos, vai muito além do pacote de três dias. Já somos o Destino do Mundo, mas queremos ser também o Destino do Brasil.
Arquivos
Buscar nos Blogs
O que deseja procurar?
Escritores
Newsletter
Receba as novidades