Reflexões & Aprendizados
Andréa Nakane
Você pode sonhar, criar e construir a idéia mais maravilhosa do mundo, mas são necessárias pessoas para fazer o sonho virar realidade
Walt Disney
31
agosto
2015

Burning Man: Um Evento de 60.000 colaboradores.

escrito por Andréa Nakane

Você já ouviu falar de Burning Man?

Se você é da área de eventos é de grande relevância conhecer esse projeto que se tornou um ícone dos festivais mundiais.

Ainda não tive oportunidade de pessoalmente participar, mas a cada ano fico mais tentada, pois tenho certeza que minha mente e bagagem como profissional da área voltará mais enriquecida e criativa, afinal todo OPC, tem que ter mentes abertas, sem pudores e sem receios.

Primeiro, definir o que seja o Burning Man já um grande desafio. Pode-se afirmar que é um festival, mas nada similar ao que exista mundo à fora.

Ele tem como principal foco atiçar e movimentar a contracultura, que balança estruturas de conformidade e homogeneização social, buscando valorizar a natureza, estimular um estilo de vida comunitária e sobretudo ir contra o capitalismo e sua economia voraz.

A sua própria localização é um total quebra de paradigma, já que tem no deserto Black Rock Desert, em Nevada, nos Estados Unidos sua morada, desde 1990 e tem no nome de seu batismo um ícone representativo. Trata-se de um homem de madeira gigante, na ordem de 40 metros de altura, que a cada ano tem um estilo e que ao final é queimado como marco do evento.

O simbolismo dessa queima diz respeito a um rito de verdadeira catarse para liberar-se de toda a negatividade e recomeçar com uma “vibe” mais apropriada para ser feliz! Não só o Burning Man é queimado, o templo construído e outras instalações acabam também ardendo em chamas, mas com uma total adequação para não prejudicar o solo e meio ambiente, preocupação latente entre todos.

Sua criação ocorreu em 1986, por Larry Harvey, em Baker Beach, São Francisco e atualmente em seu novo site, reúne durante 10 dias, cerca de 60.000 pessoas em uma estrutura fenomenal, que impacta pelo gigantismo e sua própria simplicidade.

Aliás, a organização do evento é responsável por toda a logística dessa cidade montada no meio do deserto, porém são os próprios participantes que colaboram para sua dinâmica, que inclusive, doam trabalhos artísticos, como esculturas, instalações para exibição.

O valor individual para participar é de US$ 400 dólares e fora isso não há mais nada sendo vendido, a não ser gelo e café... todo o resto é compartilhado pelos participantes, que levam o básico para sua sobrevivência como água, comida, tenda, roupas, etc.). É proibido vendas entre os participantes.

A locomoção no festival é sustentável, via bike e a planta total do evento, em forma circular de mais de 2,4 km exige condicionamento físico, já que leva-se quase uma hora para circular por todos os ambientes.

Esse ano ainda não deu...mas um dia Burning Man... eu irei agregar essa experiência, mais que surreal... na real!

Quem topa?

Arquivos
Buscar nos Blogs
O que deseja procurar?
Escritores
Newsletter
Receba as novidades