Reflexões & Aprendizados
Andréa Nakane
Você pode sonhar, criar e construir a idéia mais maravilhosa do mundo, mas são necessárias pessoas para fazer o sonho virar realidade
Walt Disney
12
fevereiro
2015

Chegou a Hora da Maior Festa Popular do Brasil.

escrito por Andréa Nakane

É sem dúvida alguma uma das maiores festas populares do mundo... alguns garantem que seja a número 01 e assim com toda sua grandeza, esplendor, alegria e sobretudo animação, o Carnaval chega mexendo com os sentidos dos brasileiros e dos turistas estrangeiros, que decidiram experenciar algo tão verde e amarelo!

Os números da atualidade são gigantescos e a festa além de atrair inúmeros foliões, também atrai diversos trabalhadores, sejam formais ou informais, que não perdem o ritmo e não deixam os outros perderem o compasso e diversão.

Enquanto muitos rasgam a fantasia, outros a costuram, organizam os eventos carnavalescos, dão todo o suporte para que os quatro dias oficiais de Momo, sejam usufruídos intensamente com empolgação e satisfação.

Os números da movimentação econômica do Carnaval no Brasil, de Oiapoque ao Chuí, são desconhecidos, pois infelizmente não há registros únicos, apenas pesquisas isoladas e com pouca profundidade para detectar os frutos dessa cadeia produtiva.

Além disso, quando os portugueses lá atrás trouxeram o entrudo na bagagem, jamais poderiam imaginar o rumo que a festa tomaria. Em vez de limões de cera, farinha, fuligem e ovos podres na festa de rua, tão majestosamente captado por Debret, em uma de suas famosas obras, o evento ganhou não só os salões, tornando-se algo elitista, mas multiplicou-se de forma realmente democrática pelas ruas das cidades brasileiras.

O que está se assistindo em 2015 é o pleno resgate da verdadeira folia popular, onde a diversão não é mais só mercantilista. É claro que esse comportamento não é um padrão, mas sim uma opção. O Carnaval espetáculo continuará sendo o abre alas extraordinário que torna-se o cartão postal de cidades como RJ e SP. Salvador e Olinda continuaram arrastando multidões, tanto em circuitos fechados, com vendas de abadás, camarotes ou varandas, quanto nos circuitos alternativos, onde não se paga nada, mas exige-se animação prá valer. E os coretos e marchinhas tradicionais de Ouro Preto e São Luiz do Paraitinga que jamais saem de moda?

Os sotaques do Carnaval brasileiro são tão diversos, tão multiculturais, que até mesmo para àqueles brasileiros que foram cantados como não sendo bons sujeitos, por não gostarem do samba, também encontram no período festivo, opções para descansar e relaxar em lugares afastados, nos quais o único som é o da natureza e seus filhotes passarinhos.

Realmente o Carnaval é único e para todos ao mesmo tempo e como diz um antigo provérbio popular em latim: “ Smel in Anno Licet Insanire”, traduzindo, “Uma vez por ano é lícito endoidecer”.

E nós temos ainda mais 10 meses pela frente, de um ano que já começou pesado e tende a ficar mais.

Então vamos ser felizes... mesmo que sejam com dias contados... afinal todo ano é ano de ir atrás do bloco, e só não vai... quem já se foi!

Arquivos
Buscar nos Blogs
O que deseja procurar?
Escritores
Newsletter
Receba as novidades