Trip & Soul
Marco Aurélio Moura
Costumo responder, normalmente, a quem me pergunta a razão das minhas viagens: que sei muito bem daquilo que fujo, e não aquilo que procuro
Michel de Montaigne
29
outubro
2012

Viajando sem fronteiras

Quando se fala em turismo de aventura, todo mundo pensa em países como Nova Zelância, Austrálias e outros aonde esportistas do mundo todo se encontram para pratica body jump e outros esportes radicais.

Para mim desde o ano passado eu procuro turismo aventura, mas de uma aventura diferente.


Eu tenho procurado roteiros de zona de conflito pelo Oriente Médio. Sim, coisa simples como atravessar fronteira entre Turquia, Siria e LIbano no ano passado. E Egito para Israel neste ano. E a idéia para o próximo ano é entrar na Siria mesmo com o carimbo de Israel que escapou no meu passaporte este ano.

Sim, se você tem carimbo de Israel em seu passaporte esqueça de ir em qualquer país muçulmano. Você só tem acesso ao Egito e Jordania até este momento.

Nem Dubai que para mim é a Disneylandia árabe não aceita entrar com o carimbo de Israel.

Sabendo disto, Israel te proporciona a opção de não carimbar o passaporte. Mas você tem que pedir na entrada e na saída e ainda explicar a razão.

Como somos brasileiros e viajantes fica mais fácil.

Este ano eu tive que explicar por quase 2 horas para três pessoas diferentes na fronteira por terra entre Egito (Taba) e Israel (Eilah) o que eu fui fazer “ano passado” na Siria e no Libano. E depois de explicar a viagem ainda pedi para não carimbarem. Eles não gostaram mais assim fizeram.

Eles te fornecem um papel que fica dentro do seu passaporte enquanto estiver dentro do país. Nele é carimbado a sua entrada com o espaço para o carimbo da saída.

Se você for para Israel por terra ou por ar são situações bem diferentes. Sim. Eu entrei caminhando em Israel, carregando a minha malinha vindo pelo deserto do Sinai, guiado por um beduino que contratei em Sharm el Sheikh ainda no Egito. Entrei, passei malas e roupas por detectores e pronto. Entrevistas e entrevistas não muito calorosas e fui autorizado.


Porém precisei sair de Israel de avião, porque não poderia continuar a viagem pela Siria devido o conflito (março 2012). A saída de avião necessita de quase 3 horas de antecedência devido eles inspecionarem até a sua alma. Sim, porque você está saindo de avião. E com certeza o avião deve ser o alvo mais procurado por inimigos de Israel para atacar de alguma forma.

E dito e feito. Como haviam me dito eu cheguei no aeroporto com três horas de antecedência. E foram usadas todos os minutos destas horas. Além é claro que eu tenho um tipo fisico dos mais procurados pela segurança israelense. Ou seja, um perfil e traços semelhante do povo vizinho deles. Sem citar nomes é claro para gerar algum tipo de incomodo de ambas as partes.

Depois destas bem usadas 3 horas, aonde eu cheguei a brigar pela demora, e quando eu achei que estava tudo terminado, me levaram para uma sala e me pediram que tirasse a roupa. Pois o botão da calça continuava apitando ao passar o detector. Depois de tanto estresse entreguei o meu passaporte para o responsavel da ultima saida de Israel e o tal do senhor, mesmo vendo um papel a parte, carimbou o meu passaporte com a saida do país.

Ou seja, a minha viagem, que ainda teria Turquia e de onde eu pegaria um trem até Tehran, capital iraniana , teve que ser modificada devido o estratégico carimbo.

Então, são essas dicas e ressalvas para se notarem em viagens por essa região.


Como eu pretendo voltar nestas zonas no próximo ano em férias, estou desde já acompanhando pelos noticiários tudo que acontece por lá. Tenho um amigo brasileiro jornalista que é enviado por uma emissora de televisão brasileira, que me dá todas as coordenadas por onde devo ou não avançar nos meus roteiros.

Ainda com roteiro não fechado, a idéia é voltar para o Egito aonde eu me surpreendi muito e adorei.. Porém desta vez quero ir para cidades menores não conhecidas. E procurar não ficar em hotéis e sim em casa de familias para conviver com a cultura local. Alugando e pagando para moradores locais para ficar poucas noites no caminho. Aliás caminho a ser feito por terra, de carro, ônibus, trem ou outro meio de transporte sem ser avião.

Também devo explorar mais o deserto do Sinai entre a tríplice fronteira do Egito com Israel e Jordânia. Ir a faixa de Gaza e conhecer melhor a Cisjordânia. Nesta área visitar e tentar de alguma forma ajudar nos campos de refugiados.

Do lado da Jordania irei tentar atravessar para a Siria mesmo com o carimbo de Israel. O máximo que eu posso receber é um não e volto para Israel pela Jordania mesmo. Entrando em Israel quero voltar a Jerusalém antiga porém quero dormir uma ou duas noites na cidade santa. Para andar entre as ruelas e ver a iluminação noturna sem muitos turistas.

Não vejo trechos de viagens assim como de risco. Sei que estão tendo conflitos entre os povos da região porém as áreas são muito maiores do que vemos combates mais direcionados. Trata-se de uma região que me fascina pela sua cultura, sua briga pelos seus direitos. Mesmo que muitos sejam eternos fanáticos...

Arquivos
Buscar nos Blogs
O que deseja procurar?
Escritores
Newsletter
Receba as novidades