Trip & Soul
Marco Aurélio Moura
Costumo responder, normalmente, a quem me pergunta a razão das minhas viagens: que sei muito bem daquilo que fujo, e não aquilo que procuro
Michel de Montaigne
04
setembro
2012

bon voyage

Hoje vim para o trabalho com um tema na cabeça. Viagens X Status...

Com o acesso fácil aos sites de relacionamento nos dias de hoje é muito comum ver para aonde os seus amigos ou mesmo amigos deles estão indo de férias. E com isso você acompanha com curiosidade , determinadas fotos bem tiradas e decide fazer o mesmo roteiro na sua viagem.

Inveja? Claro que não. Apenas uma referência.

Quantas pessoas que trabalham muito durante todo o ano e nem conseguem se programar ou mesmo escolher um bom roteiro de férias?

Então é muito mais fácil se convencer e ir ver as mesmas paisagens que os seus colegas de trabalho, ou vizinho ou mesmo algum familiar. Pronto, fácil assim.

Nestes mesmos sites aonde encontramos amigos e conhecidos é muito comum você ver a pessoa divulgando que acabou de comprar a passagem, tirando uma foto do pedaço do ticket, aonde lá meio que discretamente, aparece Business Class ou mesmo apenas pelo número da poltrona você já sabe que é lugar bacana. E claro, quando chega o dia da viagem o tal viajante já faz o tal check in na internet mostrando estar na sala vip da companhia aérea. É demonstração de status? Sim. E ai? Vamos condenar o pobre menino rico ou bem relacionado?

A idéia sempre divulgada que “ menos é mais” é cool. Mas também muito menos não é tão bom. E o over é bem ruim. Ou seja, tudo em exagero é chato mesmo.

Mas vamos analisar o tal do esbanjador. Se ele quer mostrar por exemplo para o novo namorado da ex, não podemos perdoá-lo? Se o melhor amigo é um profissional do esbanjar e ele está sentindo inferior e quer demonstrar um pouquinho? Vamos libertá-lo dos castigos de Deus?

Não importa a razão. O ser humano tem as suas necessidades e suas deficiências. Quantas vezes acordamos tão tristes e nos sentindo o pior dos piores? Quando passamos o dia tendo complexo de inferioridade mesmo que a nossa altura já ultrapassa, 1,90? Repito, tudo em exagerado é mega chato.

Gente que fala muito de si mesmo, de suas coisas e de que é o “the Best”, este tenha certeza está inseguro consigo mesmo.

Atire a primeira pedra quem não nunca, tenha tido, menor que seja, um deslumbramento com algo seu. Claro que é diferente deslumbre natural e deslumbre sensacionalista... se a pessoa quiser mostrar a sua passagem Business Class indo para Roma, que mostre. Bacana. Você não analisa a pessoa por somente uma atitude. E sim por um período maior. O cara pode ser o mais bacana durante todo o ano, de repente você o detona porque ele resolveu tirar a foto do ticket e se transforma no pior dos piores.

Não estou fazendo apologia a favor do exibicionismo ou mesmo do desejo em ter aquilo que o outro tem. De forma alguma. Somente para lembrar que nem tudo é pecado. Nem tudo é como alguns dogmas inseridos tanto pela religião ou mesmo em família.

Viajar é muito bom e se você tem idéias próprias ou copiadas também faz parte deste prazer.

O segredo está no equilíbrio já dizem inúmeros escritores em seus livros ou diretores em seus filmes. Mas levanta a mão quem é o mais equilibrado de todos? São poucos, como Dalai Lama, Ravi Sharkan e outros poucos mais.

No geral de tudo isto, pegue a sua linda bagagem, que seja de grife ou não e vá fazer uma linda viagem. Descanse nos seus sonhos. Deixe literalmente a vida te levar. Programe o primeiro passo, no restante, as coisas acontecerão conforme o Universo preparar para você. Pague a viagem com a razão... pense com emoção e voe com a alma...

Se logo após o avião decolar e você der um sorriso de confiança e felicidade, saiba que já conquistou o equilíbrio de ir atrás daquilo que te faz feliz. E melhor, totalmente merecido. Pois aliás ninguém é feito de ferro e merece as suas merecidas férias.

Arquivos
Buscar nos Blogs
O que deseja procurar?
Escritores
Newsletter
Receba as novidades