Trip & Soul
Marco Aurélio Moura
Costumo responder, normalmente, a quem me pergunta a razão das minhas viagens: que sei muito bem daquilo que fujo, e não aquilo que procuro
Michel de Montaigne
15
fevereiro
2013

preparando a viagem

O dia que antecede a viagem de férias chega e logo vem a preocupação de que roupa eu vou levar. Acredito que algumas pessoas se programam com mais tempo para fazer a sua mala e quase sempre acertam. Aqui eu me coloco de exemplo e digo que acerto mais ou menos, pois separo as minhas roupas no dia do embarque ou no mais cedo, na noite anterior.

Cada um tem o seu jeito. Que bom isto para dividirmos as boas experiências.


Nunca fiz mochilão mas assumo que isso me deixa curioso e ainda irei fazer. Mas um mochileiro profissional.

Período do ano e destino são fatores muito importantes para se decidir o tamanho da sua mala. E claro, a sua disponibilidade física e temperamental em carregar.

Lembre-se que além de carregar para o taxi, para o aeroporto, tirar das esteiras e mesmo colocar em outros taxis, existem na Europa por exemplo prédios de hotéis antigos sem elevador. E muitos também sem carregador. E isso não precisa nem ser uma pensão ou um hostel para não oferecer estes serviços.

Em Amsterdam por exemplo é muito comum você ficar em prédios tortos para frente. Sim, com escadas estreitas e viradas para te jogar para fora. Eu já tive várias experiências destas sendo em casa de amigos ou mesmo em hotéis por lá. E a própria cidade não tem muitas edificações mais novas com elevadores. Claro, a não ser que você optar pelos modernos Four Seasons, Sheraton e outros. Mas garanto que existem outros mais charmosos e que o peso da sua mala não fará tamanha diferença na hora de desfrutá-los.

Além da preocupação do lugar que estará visitando tem também o tempo da viagem. Uma viagem de quase trinta dias te pede um tempo maior para pensar.

Se for Europa e Estados nos primeiros meses do ano se prepare para levar uma bagagem bem grande. A menos que você queira passar frio. Ou mesmo torrar o seu cartão de crédito nas lojas de roupa que encontrar pela frente.

Outro fator bastante importante é saber se você ficará num só lugar de destino ou vai ter que percorrer através de aviões, trens, carros, camelo ou bicicleta. Isso pesa muito no tamanho da sua mala também.

Eu mesmo costumo fazer as minhas viagens de férias apenas com o avião de ida e volta. E procuro viajar quase todo o tempo por terra entre os países que estou visitando. Principalmente nos últimos anos que eu tenho ido ao Oriente Médio e por alguma razão me fascina atravessar aquelas fronteiras..

Nestes casos a minha bagagem tem que ser muito estudada, pois quando atravesso fronteiras um pouco tensas como entre Siria e Libano que já fiz, eles tomam mais tempo com estrangeiros como eu e com as minhas bagagens.

Independente de você ser brasileiro e a sua política interna ou externa seja diferente da deles, entrar ou sair de avião em Israel é infinitamente mais difícil do que entrar no país por terra. Já levei duas horas para entrar por terra, mas foi uma entrevista porque eu tinha ido ao Libano e Siria no ano anterior. Mas levei três horas para sair de avião. Foram três horas ininterruptas de vistoria em minha bagagem, na minha roupa e até nas minhas calças que estava vestindo. Então imagina a sua bagagem nesta hora.

Acredito que são poucas pessoas  que tem  prazer de vistoria em aeroportos. Até um simples shampoo com mais de 100 ml na sua bolsa de mão já vai te custar um tempo maior para explicar e perder o shampoo que ficará com eles.

Nos meses de março e abril naquela região do Oriente Médio é bastante fresco com temperaturas amenas. Apesar de não ser lenda que faz calor durante o dia e muito frio a noite por regiões desérticas. Uma vez na Turquia peguei neve na capadoccia logo após descer do balão. E isso que o balão só sobe com o céu aberto e limpo. E ainda tinha sol para brindar aquela vista maravilhosa e única.

Mas isso tudo é muito particular para cada um de nós. Como uma vez disse um amigo que viaja muito que o tempo que ele tem para arrumar a mala é o tempo que ele tem. Se tem quinze minutos serão quinze minutos.

]No meu caso por fazer viagens longas entre alguns países eu prefiro levar o básico e comprar o básico também no caminho. E me desvencilhar deste mesmo básico no também caminho. Fora que você pode lavar algumas peças em seu hotel.

Não existe regras e compromissos. Talvez essa regra é o bom senso de cada um e como falei acima a sua disponibilidade de ter tempo nestes carregamentos.

Como somos um povo gastão e compradores, o que já é famoso lá fora, então vamos de malas vazias e voltemos abarrotadas de coisas. Talvez seja simples assim.

As minhas melhores bagagens de volta vem em fotos e lembranças.

Ainda bem que todos nós somos diferentes e levamos em nossas bagagens de vida aquilo que nos faz bem hoje. Podendo até ser uma boa lembrança numa nova aventura na terra.


Arquivos
Buscar nos Blogs
O que deseja procurar?
Escritores
Newsletter
Receba as novidades