Vendo do mundo os segredos escondidos
Sergio Junqueira Arantes
Os casos vi que os rudes marinheiros, Que têm por mestra a longa experiência, Contam por certos sempre e verdadeiros, Julgando as coisas só pela aparência, E que os que têm juízos mais inteiros, Que só por puro engenho e por ciência, Veem do mundo os segredos escondidos, Julgam por falsos, ou mal entendidos
Camões, Lusíadas, Canto V
27
julho
2009

Falta de pesquisas deixa profissionais sem parâmetros e mercado às cegas

Em seu discurso de posse na presidência da Embratur, Eduardo Sanovicz deplorou a ausência de pesquisas que retratassem as diversas realidades do turismo nacional, explicassem os problemas do passado e do presente e sinalizassem os caminhos do futuro.

Passados mais de cinco anos, a situação muito pouco mudou. É verdade que tanto a Embratur, quanto o Ministério do Turismo, desenvolveram algumas pesquisas que, infelizmente, não tem atendido às necessidades do mercado nacional, e também patrocinaram algumas pesquisas episódicas ou para atendimento de interesses específicos.

Apesar de todos reconheceram a necessidade de programas de pesquisa consistentes que permitam conhecer a realidade com que trabalham os diversos agentes produtivos do turismo nacional, nada tem sido feito neste sentido, seja pelo primeiro setor (órgãos públicos federais, estaduais e municipais), seja pelo terceiro setor (associações de classe e entidades representativas).

A título de exemplo, todo começo de ano, a maioria dos países que têm na exploração do MICE MARKET um filão economicamente importante publicam um balanço detalhado das atividades produzidas no ano anterior: quantidade de feiras e congressos por setor e por cidade; quantidade de participantes, expositores e visitantes nacionais e estrangeiros; dimensionamento econômico e volumétrico dos espaços expositivos nacionais e internacionais etc. Isso permite avaliar, ano a ano, a evolução do mercado, suas dificuldades, suas necessidades.

E não se fale que isso é luxo de país desenvolvido, pois nossos visinhos México e Argentina o fazem e com muita consistência, apesar de todas as crises que estes países atravessaram.

O turismo mundial atravessa um momento difícil. O MICE MARKET também. Imediatamente após a deflagração da crise nos EUA, tanto o MPI quanto a UFI determinaram a produção de pesquisas especificas para avaliar as conseqüências do problema no MICE MARKET e no mercado de feiras. Seus resultados, disponíveis a todos seus associados, foram publicados em primeira mão no Brasil pela Eventos News e pelo Portal Eventos: MPI Business Barometer, na semana passada, e Barômetro UFI, na edição atual.

No Brasil, passados quase um ano, os diversos agentes que atuam nestes mercados continuam se guiando às cegas, atuando segundo seu feeling e sua experiência passada, pois nenhuma entidade, nem órgão público, acharam pertinente ou necessária a produção de pesquisas que avaliassem as conseqüências tanto da crise econômica, quanto da gripe dita suína, no desenvolvimento econômico e social das atividades turísticas e promocionais brasileiras.

Sergio Junqueira Arantes

Sergio@ExpoEditora.com.br
Diretor da Eventos News, do Portal Eventos, da Revista Eventos e da Making Of
Titular da Cadeira 1, da Academia Brasileira de Eventos
Vice-presidente da ANETUR - Associação Nacional dos Editores de Turismo
Member MPI Brazil Chapter - Meetings Professionals International
Membro do IBEV Instituto Brasileiro de Eventos

________________________________________

Sua avaliação sobre este Editorial e as demais matérias produzidas semanalmente é muito importante. Mande seus comentários para Sergio@ExpoEditora.com.br

Arquivos
Buscar nos Blogs
O que deseja procurar?
Escritores
Newsletter
Receba as novidades