Portal Eventos

* Antes de imprimir pense em seu compromisso com o Meio Ambiente

Canais
Artigos
publicado em 08 de fevereiro de 2019 - 21h33

2019 deve ser um ano de crescimento para o Turismo

Artigo de Marta Rossi, CEO da Rossi & Zorzanello Eventos e Empreendimentos

Acompanhando as notícias e projeções feitas sobre o setor turístico mundial e principalmente nacional, sigo otimista com relação aos números que podemos alcançar com o turismo brasileiro em 2019.

Recentemente a Organização Mundial do Turismo (OMT), divulgou um relatório onde apontou que o turismo mundial vai crescer entre 3% e 4% neste ano. Além disso, a entidade ressaltou que o setor registrou, em 2018, o segundo melhor resultado dos últimos 10 anos, com a marca de 1,4 bilhão de chegadas internacionais no mundo todo, 6% de aumento em relação a 2017. Sem dúvida, são estatísticas que devem ser comemoradas e exaltadas.

Mas apesar deste resultado positivo, historicamente as Américas continuam ocupando as últimas posições quando se fala em crescimento. No período de 2017/2018 o continente registrou 3% de alta. Segundo o relatório da OMT, a alta se deve a “fatores como ambiente econômico favorável, forte demanda dos principais mercados emissores, consolidação da recuperação em destinos anteriormente em crise, melhor conectividade aérea e maior facilitação de vistos”.

Com os recursos naturais, históricos e culturais que temos em nosso continente, é inaceitável que ocupemos as últimas posições no ranking de crescimento. Espero que em 2019, comecemos a abrir caminhos, derrubar muros e construir pontes. Para potencializar nossos destino, atraindo turistas, e principalmente construindo uma união entre os países das Américas para promover nosso continente como um roteiro diferenciado.

Crescimento para o Turismo no Brasil

Percebo uma onda de otimismo no setor turístico brasileiro, conversando com profissionais do turismo, amigos do trade, visitando feiras internacionais e em reuniões de negócios. Esse fator pode ser pelo momento de mudança que o país vive na política e também pela valorização do Turismo como ferramenta econômica. Reforçado pelo atual governo que manteve o ministério, afirmando que o Turismo é pauta quando se fala em desenvolvimento econômico do País.

Um exemplo desta valorização é o novo ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, que começou o ano apresentando medidas prioritárias, buscando bons resultados para o turismo: “A isenção de visto para países considerados estratégicos, a criação de Áreas Especiais de Interesse Turístico (AEITs) e a ampliação da conectividade aérea no país para expandir os mercados doméstico e internacional estão entre as nossas metas. É urgente repensar e reorganizar o setor para fazer o Brasil crescer”, defendeu.

Voos começam 2019 em alta

O Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur), divulgou em janeiro, um crescimento de 7% na chegada de voos internacionais ao Brasil, em relação ao mesmo período do ano passado. As informações foram disponibilizadas pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), destacando que 6.120 voos aterrissaram nos aeroportos brasileiros no primeiro mês do ano.

Os destaques foram os aeroportos da região Sul, com aumento de 19% em relação ao mesmo mês do ano passado. Outras regiões também apresentaram bom desempenho, como o Nordeste, com alta de 17%. Guarulhos, em São Paulo, maior porta de entrada de estrangeiros no País, registrou 7% de ampliação no número de voos internacionais. O Galeão, na cidade do Rio de Janeiro, segundo maior aeroporto internacional do País, teve 9% a mais. Brasília, no Centro-Oeste, ampliou em 32% o número de chegadas, passando de 137 para 182 voos em janeiro de 2019.

US$ 5,92 bilhões na economia brasileira

O Brasil já apresentou números positivos no final de 2018, como o incremento de 1,86% nos gastos dos estrangeiros que visitaram o Brasil. De janeiro a dezembro do ano passado, os turistas internacionais injetaram US$ 5,92 bilhões na economia brasileira, frente aos US$ 5,81 bilhões registrados no mesmo período de 2017.

Um número tímido, mas que pode ser considerado uma vitória diante do momento difícil pelo qual passou o país, economia, corrupção e segurança. Temos muito que aprender, especialmente na lição de casa. O fato que aconteceu em Brumadinho recentemente expõe o Brasil no palco do mundo, mais uma vez de maneira negativa, como um país irresponsável. A imagem do Brasil é um agravante para os turistas internacionais, a falta de segurança pública, crise econômica, corrupção, caso João de Deus e tantos outros que nos colocam na tela do mundo e repercutem nos quatro cantos do mundo.

Se queremos alcançar números cada vez mais positivos com relação ao turismo internacional no Brasil, é preciso fortalecer nossa imagem positiva no exterior. A chave para isso é responsabilidade social, em tudo que for realizado, construindo estratégias favoráveis para destacar nosso país como um destino turístico que seja desejado pelos viajantes.

Marta Rossi, CEO da Rossi & Zorzanello Eventos e Empreendimentos


Fonte: assessoria

Veja também:

21/07/2021
Você já ouviu falar sobre Greenwashing e Rainbow-Washing?
Pautados nesses termos, que começaram a circular com mais força mais recentemente, faz-se necessário falarmos sobre marca, propósito e coerência, questionando e instigando as empresas a repensarem todo um sistema pautado em campanhas publicitárias elaboradas para sensibilizarem o público, mas que são apenas uma mera jogada de marketing.
25/06/2021
Luz no fim do túnel
Já se vão 16 meses desde que o Governo de São Paulo decretou a quarentena no Estado para conter a disseminação de Covid-19 e, com ela, a paralisação da economia.
17/06/2021
Vacinas x retomada no setor de eventos
Quase que a cada semana nas últimas 4, o Governo do Estado de SP vem anunciando antecipações do calendário de vacinação.
02/06/2021
Copa América: é boa para o Brasil?
Não há mínima dúvida sobre a importância do Esporte para economia e para a vida das pessoas. Do lado psico-sociológico, o esporte representa para as pessoas: fuga psicológica da realidade/evasão psicológica; alternativa contra a saturação e mesmice rotineira; compensação aos fracassos e frustrações; extravasão de agressividade; alternativa para integração/projeção social. Todos esses atributos são ainda mais importantes num momento de restrição e isolamento das pessoas, por conta da pandemia.
Ver mais