Portal Eventos

* Antes de imprimir pense em seu compromisso com o Meio Ambiente

Vendo do mundo os segredos escondidos
Sergio Junqueira Arantes
Os casos vi que os rudes marinheiros, Que têm por mestra a longa experiência, Contam por certos sempre e verdadeiros, Julgando as coisas só pela aparência, E que os que têm juízos mais inteiros, Que só por puro engenho e por ciência, Veem do mundo os segredos escondidos, Julgam por falsos, ou mal entendidos
Camões, Lusíadas, Canto V
09
setembro
2009

Repercussão dos editoriais anteriores

Lavamos um pouco a alma com o editorial da Eventos News sobre cruzeiros marítimos.

Como fundador e proprietário do Costão do Santinho quero agradecer pela sua tomada de posição sobre questão tão relevante, que está inviabilizando a sobrevivência dos resorts no Brasil.

Os cruzeiros de cabotagem terão 21.000 cabines disponíveis no próximo verão navegando no litoral brasileiro, numero superior a todos os 44 resorts reunidos, que somam 13.000 apartamentos.

Esses navios não investiram um centavo no Brasil, enquanto os resorts alimentaram uma cadeia produtiva (construção civil, equipamentos, móveis, utensílios etc.), que beneficiou  parte expressiva do litoral brasileiro, transformando o turismo das atividades econômicas mais importantes deste país.

Além do mais, os navios gozam de todas as vantagens, enquanto os resorts são sufocados por uma legislação trabalhista penalizante, juros escorchantes e impostos absurdos.

Essa assimetria está colocando em risco a hotelaria de praia do Brasil.

Precisamos da ajuda de vocês.

Fernando Marcondes de Mattos
Presidente do Costão do Santinho

________________________________________

Sou bacharel em turismo e guia de turismo, residente em São Vicente, estando bem próxima da realidade dos cruzeiros marítimos, e também trabalhando no Porto de Santos como guia durante a temporada.

Concordo plenamente quando você diz que o Ministério do Turismo que deveria trabalhar na salvaguarda dos interesses do turismo brasileiro permanece inerte e que:

  1. A atividade de cabotagem no litoral brasileiro somente deve ser autorizada para navios que permaneçam no país o ano inteiro;
  2. Mais de 50% do quadro de funcionários do navio deve ser constituído por brasileiros, contratados em obediência à legislação trabalhista nacional;
  3. Mais de 50% do material consumido no navio deve ser de origem brasileira;
  4. Toda receita auferida nos cruzeiros deve ser taxada de conformidade com a legislação tributária nacional;
  5. A abertura dos cassinos e free shops em águas brasileiras deve ser rigorosamente fiscalizada, quando ocorrer, severamente punida;
  6. Incentivar a captação de turistas estrangeiros, mediante abatimento da carga tributária;
  7. Descentralizar o embarque dos cruzeiros marítimos pelos principais destinos turísticos nacionais, atendendo no mínimo 12 cidades;
  8. Desenvolver operações casadas, incentivando os passageiros de navios a permanecer no Destino em que irão embarcar pelo menos duas noites.

No entanto, conheço várias pessoas que embarcaram para trabalhar nos navios, e que trabalham nas empresas que recrutam esses profissionais, e mesmo hoje, com a obrigatoriedade que pelo menos 25% dos tripulantes sejam brasileiros enquanto os navios estiverem na costa brasileira, já é muito difícil conseguir esse percentual, devido a falta de no mínimo o segundo idioma e cursos específicos, quanto mais os 50%. Faltam incentivos, pois nem todos podem arcar com essas despesas.

Não há navios o ano todo, embora essa idéia não seja nova, há que unir forças para torná-la realidade. Mas como?

Enfim, não creio que os cruzeiros sejam tão vilões assim, pois ao custo de um resort, é preferível um cruzeiro, ainda mais para o brasileiro de classe média baixa.

Posso estar errada, mas se os resorts ao invés de brigarem com cruzeiros revissem seus preços e usassem de criatividade para captar esses clientes, não teriam do que reclamar.

Infelizmente, o turismo no Brasil ainda não é exercido em sua totalidade, mas felizmente tem muito a aprender e crescer, para que todos saiam ganhando. E só tendo esperança, pois como sabemos, esse é um processo lento, e um dia chegaremos lá.

Thalita Gomes - Bacharel em Turismo